20 de abril de 2024

Acreanos que escaparam de presídio tinham planos de fundar nova facção e deram aviso sobre fuga

Os dois queriam matar lideranças dos CV e assim fundar sua nova facção

Foragidos do Presídio de Segurança Máxima de Mossoró desde a última quarta-feira (24), os acreanos Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral teriam tentado executar lideranças da própria facção da qual faziam parte, o Comando Vermelho (CV), com o intuito de fundar uma nova facção.

Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento/Foto: Reprodução

A informação foi divulgada pelo site Metrópoles, que revelou, ainda, a dupla de fugitivos está jurada de morte pelas lideranças do CV. A ordem para matar Rogério e Deibson foi dada por Railan Silva dos Santos e Selmir da Silva Almeida Melo, lideranças da organização criminosa, que também foram transferidos do Acre para o presídio em Mossoró, em setembro de 2023, após a rebelião no presídio Antônio Amaro, em Rio Branco.

LEIA TAMBÉM: Acreanos que estão em fuga há seis dias no RN já não são do CV e estão jurados de morte

Railan Silva teria liderado as negociações com a polícia, durante a rebelião, por meio de um rádio comunicador e acompanhado a ação dos agentes por meio das câmeras do presídio.

Deibson e Rogério, por sua vez, tiveram seus planos de matar os dois líderes do CV, Railan e Rogério, e fundar uma nova facção em seguida. Frustrados, acabaram sendo expulsos e jurados de morte.

Penitenciária Federal de Mossoró, de segurança máxima, de onde fugiram dois detentos/Foto: Reprodução/Senappen

A primeira tentativa de fuga

Em julho de 2013, Rogério e Deibson, juntos de outros quatro presos, já teriam tentado fugir da Unidade de Regime Fechado Antônio Amaro, em Rio Branco, no entanto, tiveram a tentativa frustrada pelos agentes penitenciários, que estavam atentos à movimentação.

VEJA TAMBÉM: Após fala de Lula, policiais repudiam suposta facilitação para fuga de acreanos em presídio

Em uma de suas falas, Rogério disse que continuaria tentando fugir. “Dessa vez, não deu certo, mas nós vamos continuar tentando até conseguir”. E esse foi o prenúncio para a fuga que aconteceu 11 anos depois, em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

A unidade Antônio Amaro, na época não tinha câmeras de segurança, alarmes e nem detectores de metal e scanners corporais, diferente das tecnologias atuais nos presídios federais, porém os agentes de forma rápida conseguiram perceber a tentativa de fuga e, ao chegar à cela, a grade já havia sido arranca. Imediatamente, o pavilhão foi interditado e as outras celas inspecionadas.

Após isso, Rogério e Diebson tentaram fugir outras duas vezes e participaram da rebelião, que deixou cinco pessoas mortas.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost