12 de junho de 2024

Cárcere privado: mulher apagou contatos, prendeu e agrediu namorada

Jovem de Curitiba viajou a Brasília para engatar relação virtual com namorada que conheceu em aplicativo e acabou em cárcere privado

O caso de terror da jovem de Curitiba encontrada em cárcere privado, em Brasília, envolveu um relacionamento abusivo. A autora do crime agrediu a vítima, excluiu todos os contatos do celular dela, apagou mensagens do WhatsApp e a impediu de sair de casa sozinha. A curitibana ainda tinha que trabalhar na residência, sem receber salário.

Getty Images

O crime chocou a polícia e mobilizou esforços de agentes de Curitiba e do Distrito Federal. A vítima, uma jovem de 22 anos, havia conhecido a namorada por um aplicativo e decidiu se mudar para a capital. Ela disse para a família que estava viajando por causa do relacionamento com a mulher que conheceu na internet.

Depois da viagem, porém, a jovem parou de dar notícias. Até que, na última quarta-feira (22/5), a mãe dela recebeu um SMS com pedido de socorro. A mensagem, enviada pela vítima, dizia que ela estava em cárcere privado e impedida de usar o telefone, de manter contato com a família e até de sair de casa sozinha.

A mulher procurou a polícia em Curitiba e teve início a uma grande operação de investigação em conjunto entre o delegado do 13º DP, do local, e a Divisão de Repressão a Sequestros da Polícia Civil do DF.

Filme de terror

A investigação mostrou que a suspeita do caso de terror era uma mulher de 41 anos que já tinha histórico de violência doméstica. Os agentes descobriram o endereço e foram até o local na noite seguinte ao registro do crime, em 23 de maio. A polícia do DF arrombou o portão da residência, encontrou a jovem e soube detalhes da situação.

A vítima confirmou que vivia uma relação abusiva. Ela disse que a mulher chegou a tirar o chip do celular dela e impedi-la de falar com a família. O caso ficou ainda pior quando a jovem tentou terminar o relacionamento, no começo deste mês.

Foi após isso que a autora do crime agrediu a vítima, excluiu todos os contatos do celular dela e apagou mensagens do WhatsApp. A curitibana ainda era constantemente monitorada, só podia trabalhar na própria residência, onde funcionava uma fábrica de tijolos de cimento, e não recebia salário.

A Polícia Civil do DF prendeu a mulher de 41 anos em flagrante delito pelo crime de cárcere privado, combinado com a Lei Maria da Penha. A jovem de Curitiba teve apoio da corporação para guardar os pertences, sair da residência e retornar para a cidade dela.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost