11 de junho de 2024

Paulo César Pereio: relembre polêmicas do ator, morto neste domingo aos 83 anos

Conhecido por seu comportamento imprevisível e sua rebeldia incorrigível, o artista trabalhou em mais de 60 filmes

Morreu na tarde deste domingo o ator Paulo César Pereio, aos 83 anos, no Rio de Janeiro. Ele estava em tratamento de doença hepática avançada, em estado grave, e havia dado entrada de madrugada no Hospital Casa São Bernardo, na Barra da Tijuca. Conhecido por seu comportamento imprevisível e sua rebeldia incorrigível, o artista colecionou polêmicas durante a carreira, que vão desde a prisão por não pagamento de pensão até uma campanha pela demolição do Cristo Redentor.

Paulo César Pereio morreu neste domingo — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Demolição do Cristo

O artista foi o “garoto-propaganda” de uma campanha pela eleição da estátua de Borba Gato, na Zona Sul de São Paulo, como uma das novas maravilhas do mundo contra o Cristo Redentor. Após o ponto turístico do Rio de Janeiro sair vencedor, Pereio lançou um movimento para a demolição do Cristo.

— Minha opinião é a mesma do (arquiteto) Flávio de Carvalho. Ele fez um projeto muito bem estruturado, com cálculos minuciosos, para demolir o Cristo Redentor. Se o Flávio falou, ‘tá’ falado. Para mim , ele é um gênio. Essa é a minha proposta. Quero demolir o Cristo — disse à colunista da Folha de São Paulo Mônica Bergamo em 2007.

— Eu não considero que aquilo lá exista. Não é obra de escultura, é obra de um engenheiro italiano. Inclusive nem tinha os braços abertos. Deu um trabalhão para abrir os braços. Essas coisas do Brasil! E eu não falo só do Cristo Redentor. O mau gosto é homogêneo neste país — completou.

Prisão

Em julho de 1994, o ator ficou preso por seis dias após ignorar duas cobranças judiciais de pensão alimentícia. Pereio foi solto após realizar acordo com a ex-mulher, Cissa Guimarães, com quem foi casado até o ano de 1990 e teve os filhos Tomás e João Velho, que tinham 16 e 11 anos, respectivamente, na época.

Carreira política

Pareio teve uma breve passagem pela política ao concorrer, em 2012, para o cargo de vereador em São Paulo, pelo PSB. A candidatura não rendeu bons frutos já que, com 1483 votos, o ator não conseguiu chegar a Câmara de Vereadores da capital paulista.

‘Sou escroto mesmo’

Lançado no ano passado, o documentário “Peréio, Eu Te Odeio” retrata a vida do artista de maneira bem-humorada.

— Eu não sou mal-educado, eu sou escroto mesmo — disse em depoimento para a produção. Além dele, o longa conta com relatos de amigos e familiares, como a ex-mulher Cissa Guimarães.

Quem era Paulo César Pereio

Nascido em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 19 de outubro de 1940, Pereio atuou em mais de 60 filmes, trabalhando com diretores como Glauber Rocha, Hector Babenco, Arnaldo Jabor, Hugo Carvana e Ruy Guerra.

Pereio tinha como inspiração o ator americano Humphrey Bogart, símbolo da masculinidade dos anos 1940 e 1950. Como Bogart, Pereio abusava de seu vozeirão e da forte presença em cena.

O ator começou a se destacar a partir de sua associação com Ruy Guerra, no elogiado “Os fuzis”. Embora tenha saído brigado com o diretor, iniciou durante as filmagens a sua longa amizade com Hugo Carvana, que também se tornaria uma figura marcante do Cinema Novo. Quatro anos depois, com “O Bravo Guerreiro” (1968), de Gustavo Dahl, Pereio aprofundou sua relação com o cinema de vanguarda no Brasil, que alcançava o seu auge.

Na pós-produção de “Os fuzis,” Pereio conheceu Glauber Rocha, com lhe convidaria para fazer uma pequena participação em “Terra em Transe” (1967). A ligação com o Cinema Novo continuaria ao longo dos anos 1970, trabalhando com diretores como Joaquim Pedro de Andrade (“Os Inconfidentes”), Cacá Diegues (“Chuvas de Verão”) e Arnaldo Jabor (“Toda Nudez Será Castigada” e “Eu Te Amo” (1981).

Nos anos 1970, trabalharia ainda em filmes experimentais como “Bang Bang” (1971), de Andrea Tonacci, que não chegou a ser programado no circuito comercial brasileiro.

Além do cinema, Pereio brilhou no teatro durante 60 anos, entre 1956 e 2016. Atuou em espetáculos marcantes como “Roda viva” e “As bacantes”, de Zé . Em 1974, dirigiu a penúltima peça de Nelson Rodrigues, “O anti-Nelson Rodrigues”.

— O Pereio foi o ator que mais trabalhou nessa vida – diz o ator e amigo de longa data Stepan Nercessian. — Ele não descansava. Onde estivesse, estava o Teatro.

Nercessian é presidente do Retiro dos Artistas, onde Pereio residia desde 2020, após uma existência de excessos e brigas, bebidas, drogas, polêmicas… Assim como fazia em cena, o ator vivia à flor da pele.

A sua personalidade difícil é retratada em “Pereio, eu te odeio” (2023), dirigido por Tasso Dourado e Allan Sieber. O longa retrata as excentricidades do ator e o sentimento de amor e ódio que inspirava entre seus próximos, como a ex-mulher Cissa Guimarães, com quem teve os filhos João Velho e Tomás Velho. Em outubro de 2023, Pereio saiu de sua reclusão do Retiro dos Artistas e compareceu para a sessão do documentário no Festival do Rio. Acompanhado de Cissa e dos filhos, foi aplaudido pelo público.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost