Aumenta otimismo, mas dificuldade também

Vários percalços ainda precisam ser removidos para aprovar as mudanças na Previdência

Aumenta o otimismo com a Reforma da Previdência, mas dificuldades também persistem. Pesquisa da Arko Advice com 218 deputados federais indica que 57,8% não acreditam que as mudanças no sistema de aposentadorias e pensões serão aprovadas ainda no governo do presidente Michel Temer (PMDB). O índice é melhor que o registrado em outubro (78,77%). A pesquisa foi realizada entre os dias 28 e 30 de novembro com representantes de 24 partidos políticos. Com isso, observadores da cena em Brasília acreditam que cresce, de 40% para 45%, a chance de o Congresso – pelo menos a Câmara dos Deputados – votar pelas novas regras.

Reflexo da mobilização

A melhora reflete a intensa mobilização que o governo está fazendo nas últimas semanas para aprovar a reforma. De acordo com os analistas da Arko Advice, no entanto, ainda existem dificuldades, e não são poucas. “Até mesmo na bancada do PMDB há uma forte divisão. Dos 31 deputados consultados, 14 estão otimistas e 12 pessimistas a respeito da aprovação da matéria. Cinco não souberam responder. No PSDB, foram ouvidos 19 deputados: sete disseram não acreditar na aprovação da reforma na atual gestão, nove acreditam que sim e três não sabem”, diz a consultoria.

Para 58%, nada será votado neste ano

O governo ainda tem esperança de concluir a votação da reforma neste ano, na Câmara, observa a Arko Advice. Mas o levantamento deixa clara a dificuldade para alcançar tal objetivo. Para 58,25% dos parlamentares, nada será aprovado neste ano. Para 15,13%, o texto vai passar em dois turnos pela Câmara e enviado ao Senado. Os que acreditam que apenas o primeiro turno será aprovado neste ano somam 9,20%. Não souberam ou não opinaram, 17,42%. Com relação à idade mínima, 56,88% acham que ela não passa e 33,02% pensam o contrário.

Aumenta o otimismo com a Reforma da Previdência, mas dificuldades também persistem/Foto: Reprodução

Equiparação tem maior resistência

Questionados sobre a aprovação da regra de transição, 57,35% dos 218 deputados federais consultados estão pessimistas e 32,11% otimistas. Outros 10,54% não sabem ou não responderam à pesquisa. A equiparação entre os regimes dos trabalhadores privados e dos servidores públicos é o ponto que parece enfrentar mais resistência. Para 61% a regra não será aprovada. Acreditam na aprovação 28%% dos entrevistados. Não sabem ou não opinaram somam 10,93%. Se tudo der certo, a reforma da Previdência será colocada em votação nos próximos dias 13 e 20, na Câmara.

Equilibristas das finanças

O Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) realiza hoje à noite, na capital paulista, o Prêmio Equilibrista 2017, o maior reconhecimento do setor que contempla profissionais da área financeira com destaque ao longo do ano. Além da revelação do grande vencedor, também estarão presentes Pedro Parente, presidente da Petrobras; Sandra Guerra, da Better Governance, e Eduardo Gouveia, da Cielo. “O Prêmio Equilibrista homenageia executivos na posição de CFOs [Chief Financial Officers] de empresas relevantes. É avaliado o desempenho do executivo com relação à liderança, cumprimento de metas, a contribuição da empresa para a sociedade e outros pontos como ações na área socioambiental”, enfatiza Marco Castro, presidente do Ibef-SP e sócio da PwC.

Grêmio ajudou a vender pizza

O terceiro título da Copa Libertadores da América para o Grêmio trouxe boas notícias também aos negócios. É este o sentimento da pizzaria gaúcha Oca de Savóia, que mudou o conceito de alimentação dentro de estádios ao vender pizzas em fatias, superando o tradicional cachorro-quente em volume de vendas. Com 12 unidades na Arena Grêmio, em Porto Alegre, a rede ultrapassou a média de vendas por evento, que costuma ser de cinco mil. “Ao todo, vendemos 14 mil pedaços de pizza com os dois jogos da final”, explica Fábio Xavier, CEO da tradicional rede de pizzarias.

Papai Noel on-line

O comércio eletrônico deve superar as vendas em pontos físicos no Natal de 2017. Segundo levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), 40% dos consumidores pretendem adquirir presentes pela rede. O levantamento foi feito nas 27 capitais brasileiras e 54% dos entrevistados ainda revelaram que pretendem comprar mais da metade das lembranças de fim de ano dessa forma. Para Sandro Ivo Pionkowski, diretor comercial e de marketing do Grupo DCG, empresa desenvolvedora das plataformas para e-commerce Ez Commerce e Core, os lojistas devem estar preparados para o aumento na demanda. “Esperamos um incremento de cerca de 20% no faturamento dos nossos parceiros. Contudo, é preciso que os empresários que possuem comércio eletrônico fiquem atentos com o aumento no tempo da entrega e mesmo o estoque, para evitar indisponibilidade de mercadorias”, conclui.

‘Negócios bons na Amazônia’

Acontece hoje, em Manaus (AM), o lançamento da Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA), que já conta com a adesão da Coca-Cola, Ambev, Dow, Natura, 3M, KPMG e os grupos amazonense Bemol/Fogás e colombiano Mariana Cocoa. O objetivo da PPA “é estimular iniciativas que sejam boas para os negócios e, simultaneamente, benéficas para a sociedade e a conservação da floresta e da biodiversidade amazônicas, dando à iniciativa privada um papel de protagonismo no desenvolvimento de um modelo de crescimento econômico sustentável para a Amazônia”, segundo porta-vozes do movimento. A organização é do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT), com apoio do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM). É bom lembrar que de 1970 para cá, quando foram abertas as porteiras da região para a exploração de algumas atividades econômicas, foram desmatados cerca de 18% da Amazônia brasileira, segundo o Greenpeace. Diante disso, resta saber como a PPA atuará para separar o joio do trigo.

comentários

Outras Notícias

Veja também