Acreanos poderão ver chuva de meteoros na madrugada de domingo para segunda


Chuva de meteoros terá pico de atividades neste final de semana, com destaque para a madrugada da segunda-feira (13)

G1 E BBC

Está chegando a hora de uma das chuvas de meteoros mais populares do ano, as Perseidas, com pico de atividades neste final de semana. Essa chuva, ou chuveiro como dizem os mais antigos, tem origem na constelação de Perseu, daí seu nome.

Mas o que são as chuvas de meteoros?

Se você for para um lugar bem escuro e prestar atenção no céu durante algum tempo, vai ver de vez em quando um traço brilhante bem rápido. Os traços são as famosas “estrelas cadentes”, que de estrela não tem nada. Os rastros são partículas de poeira, ou pequenas rochas que são capturadas pela gravidade da Terra e ao mergulharem na atmosfera se esquentam tanto que acabam ficando incandescentes. Na grande maioria das vezes, o aquecimento é tamanho que a partícula acaba se vaporizando. Dependendo das condições do céu é até possível ver o rastro de fumaça. Algumas vezes um objeto não tão pequeno entra na atmosfera produzindo um clarão intenso e. por esse motivo, é chamado de “bola de fogo”.

Esses são os meteoros. Se por acaso um deles sobreviver ao aquecimento na atmosfera e chegar ao solo, ele recebe o nome de meteorito.

Todos os dias, milhares de toneladas de material são capturados e se queimam na atmosfera, alguns sobrevivem e atingem o solo, mas a ideia é que são eventos aleatórios. Mas de vez em quando dá para perceber que tem mais eventos desses acontecendo. Mais ainda, uma observação cuidadosa vai mostrar que os meteoros parecem todos surgir de um mesmo ponto no céu. Essas são as chuvas de meteoros.

Chuvas de meteoros são chamadas de estrelas cadentes (Foto: NASA/F. Bruenjes)

As chuvas estão sempre associadas a um cometa, apenas uma delas está associada a um asteroide que se acredita ser um cometa morto, o 3200 Phaethon que provoca outra chuva popular, as Geminídeas. Ocorre que enquanto os cometas viajam pelo Sistema Solar, vão se despedaçando, deixando um rastro de pequenos pedaços, mas principalmente poeira. Quando a Terra intercepta a órbita do cometa acaba cruzando a trilha que ele deixou e a incidência de meteoros aumenta bastante. Além disso, todos parecem surgir de um mesmo ponto do céu, chamado de radiante. Apesar da chuva estar associada a um cometa, a chuva é batizada de acordo com a constelação onde está o radiante.

Desde o dia 17 de julho a Terra está cruzando a trilha de destroços deixados pelo cometa Swfit-Tuttle que tem um período de 133 anos. A trilha deixada pelo cometa é bem larga, formando um nuvem no espaço e a Terra só deve sair dela dia 24 de agosto. Por esse motivo, a atividade de meteoros está aumentando e deve atingir um máximo entre os dias 11 e 13 de agosto, quando são esperados uma taxa máxima de 60 meteoros por hora. Esse período é o pico da chuva de meteoros.

Como assistir a chuva de meteoros Perseidas no Brasil

No Brasil, os melhores lugares para a observação das Perseidas são nas regiões norte e nordeste, locais onde a constelação de Perseu pode ser vista mais alto no céu. Em outras parte do do país, é possível observar o fenômeno mais próximo à linha do horizonte.

O primeiro passo, segundo Picazzio, é localizar a constelação de Perseu. Na madrugada do dia 12 para o dia 13, essa constelação deve começar a aparecer no céu no horizonte norte por volta das 2h da manhã, em Macapá e Salvador.

Picazzio explica que, se o observador estiver no sudeste e centro-oeste, os melhores horários para observação serão mais tarde: a partir das 3h em Brasília, a partir das 5h em São Paulo.

Na região sul deverá ser mais difícil de observar o fenômeno, já que Perseu estará no céu mais próximo do horário do nascer do sol: a partir das 6h em Porto Alegre, por exemplo.

A constelação de Órion, onde ficam as conhecidas Três Marias, pode ser um ponto de referência. Ao localizá-las no céu, olhe para o norte e verá as constelações de Touro e depois a de Perseu, onde, com sorte e um tempo bom, será possível ver diversos meteoros caindo.

“É preciso olhar diretamente para a região da constelação e ter um pouco de paciência”, diz Picazzio. Não é preciso ter um telescópio para ver as “estrelas cadentes”, mas ter um binóculo ajuda, explica ele.

comentários

Outras Notícias

Veja Também