17 C
Rio Branco
7 maio, 2021 5:09 am

Com ações de segurança, Rio Branco reduz índice de mortes violentas nos últimos 3 anos

Mais de 50% dos crimes contra a vida são elucidados no Acre

POR SECOM

A capital do Acre, Rio Branco, em 2017, já esteve no topo da lista entre as cidades consideradas mais violentas do país, segundo dados divulgados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 2018. A boa notícia é que nós últimos três anos, os índices se mantiveram em queda, e a capital acabou regredindo pelo menos 10 posições, no ranking da violência em comparação à outras cidades do Brasil.

Os dados podem ser comprovados por este levantamento feito pelo setor de inteligência da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública do Acre (Sejusp). Eles mostram que em 2017, a média de pessoas mortas violentamente para cada 100 mil habitantes, em Rio Branco, chegou à 72,66. Em 2018, o número caiu para 52,59, em 2019, baixou para 40,99 e em 2020, reduziu para 40,87.

“Em 2017, tivemos um ápice de um conflito entre facções criminosas no Acre, o que gerou um significativo aumento dos números de mortes violentas e, mediante ações mais enérgicas, os índices foram ao longo desses três últimos anos melhorando, o que para nós é um saldo positivo. Ainda precisamos melhorar esse resultado, mas é um sinal de que o trabalho das forças de segurança pública tem surtido efeito”, explicou o secretário de Estado de Segurança Pública, Paulo Cezar Rocha dos Santos.

Conforme levantamento baseados em processos investigativo, acompanhados pela inteligência da Secretaria de Segurança, a maioria dos que cometem crimes contra a vida no Acre são do sexo masculino, fazem parte de alguma organização criminosa e tem entre 15 e 29 anos. Mais de 49% dos crimes praticados, tem relação com o tráfico de drogas ou acerto de contas. Quanto as vítimas, maior parte também integra alguma organização criminosa, tendo entre 16 e 39 anos. E mais de 50% desses crimes são elucidados pela Polícia Civil.

Ações da segurança pública

Entre as principais ações desenvolvidas pela atual gestão e que tem influenciado diretamente na melhora significativa dos índices de violência em todo o estado, segundo o secretário da pasta, estão o reforço do efetivo, com a contratação de policiais militares e civis do último concurso; endurecimento de medidas em presídios, impondo padrões mais rígidos; equiparação das polícias, com a aquisição de mais de 200 viaturas, materiais de combate e equipamentos de proteção pessoal; e modernização do sistema de comunicação, com aquisição de equipamentos de ponta e investimento em tecnologias de investigação.

Ainda nos últimos dois anos, o governo implantou na capital o cerco eletrônico – tecnologia de ponta que ajuda no combate à crimes contra a vida e ao patrimônio; intensificou a realização de rondas e abordagens policiais em locais onde há maior incidência de crimes; e investiu em ações de investigação com operações para prisão de suspeitos, cumprimento de mandados e desarticulação de organizações criminosas, entre outras ações.

Números a nível de estado

O Acre também já ocupou em 2017 o segundo lugar entre os estados brasileiros que mais registraram mortes violentas por 100 mil habitantes, quando comparado ao ano de 2016. Foram 530 assassinatos, em 2017, contra 368, em 2016. O estado ficou atrás apenas do Rio Grande do Norte que tinha uma média de 64, 4.

Considerando somente o ano de 2017, o Acre registrou um índice de 63.9 crimes violentos por 100 mil habitantes, segundo dados levantados pelo monitor da violência e divulgados por meio do site G1. De lá, para o ano de 2020, a redução foi significativa, o número de mortes violentas por 100 mil habitantes caiu drasticamente para 33.13, em média.