31.3 C
Rio Branco
18 maio, 2021 12:56 pm

No Acre, músico compõe sobre as dificuldades da classe artística na pandemia

A Força das Vozes, de H. Montnegro, deve ganhar clipe até o final deste mês

POR LEANDRO CHAVES, DO CONTILNET

“Artista é trabalhador. Tem família pra sustentar. E a fome não espera. Mãe e pai se desesperam. Quando ver filho chorar”. Assim diz um trecho do lamento do músico pernambucano de nascença e acreano de coração H. Montnegro, de 62 anos, sobre a difícil realidade enfrentada pela classe artística durante a pandemia de coronavírus no Acre.

Há mais de um ano impedidos de se apresentarem nos palcos e sem o apoio frequente do poder público, artistas das mais variadas vertentes, que tinham sua criatividade como ganha-pão, amargam dificuldades que vão desde o acúmulo de dívidas até a fome.

E é exatamente sobre essa infelicidade que Montnegro versa na composição “Força das Vozes”, que está em processo de musicalização e deve ganhar clipe com dez cantores até o fim do mês.

A ideia da canção surgiu durante conversas em grupos das Câmaras Temáticas das quais ele participa com outros artistas locais.

O músico, que também é ator, tem propriedade para escrever e cantar sobre a difícil lida em tempos de crises sanitária e econômica. Além de deixar os palcos, Montnegro, que dá aulas particulares de música, viu a quantidade de alunos diminuir em 80% desde o agravamento da pandemia, que já matou mais de 1.300 acreanos.

A única forma de sustento do músico é a arte. Uma peça de sua autoria, sobre a história de um contador de histórias, na qual canta, toca e interpreta sozinho nove personagens, precisou ser cancelada por conta da crise.

Além disso, seu auxílio emergencial, pago pelo governo federal no ano passado, foi cortado na quarta parcela, sem explicação. “Estou tentando me adaptar com o pouco que tenho”, diz o artista.

Foto: Arquivo Pessoal

Apesar das dificuldades, Montnegro, que vive no Acre há 13 anos, é bem humorado e fez questão de frisar que se auto-intitula “acrebucano”. Ele veio fazer um show no estado, se apaixonou por uma mulher, com quem vive até hoje, e resolveu trocar as praias de Pernambuco pelo mar de árvores da Amazônia, o que lhe rendeu bons frutos.

Em Rondônia, alguns anos atrás, recebeu o título de Embaixador da Cultura Amazônica. Já na capital amazonense, Manaus, ganhou um prêmio de excelência em cultura.

Consciência

Montnegro acredita que se a população tivesse mais consciência e seguisse os protocolos sanitários, como o uso de máscara, álcool em gel e distanciamento, a situação no Acre estaria menos grave e os bares e restaurantes poderiam voltar com as apresentações de artistas locais.

“As pessoas parecem estar perdendo o respeito por elas mesmas. Se entendessem que a superação dessa pandemia passa pelas mãos delas, estaríamos hoje em outro patamar. É tudo uma questão de educação”.

Confira a íntegra da letra de “Força das Vozes”:

SE JUNTARMOS NOSSAS FORÇAS
SEREMOS MUITO MAIS FORTES
NÃO DÁ MAIS PRA ESPERAR
TRABALHO QUE É BOM NÃO TEM
QUANTO MAIS CONTA
SE PAGA
MAIS CONTA TEM PRA PAGAR

SILENCIARAM NOSSAS VOZES
INSTRUMENTOS E CANÇÕES
APAGARAM-SE AS RIBALTAS
SEU DOUTOR FAÇA ISSO NÃO

TÁ FAZENDO MAIS DE ANO
QUE NOS ESTAMOS
PARADOS
ALUGUEL, ÁGUA E LUZ
JÁ ESTÁ TUDO ATRASADO
NOSSA CLASSE TÁ SOFRIDA
MERECEMOS ISSO NÃO
CADA VEZ TÁ MAIS DIFÍCIL
O FEIJÃO,O ARROZ O PÃO

ARTISTA É TRABALHADOR
TEM FAMÍLIA PRA SUSTENTAR
E A FOME NÃO ESPERA
MÃE E PAI SE DESESPERAM
QUANDO VER FILHO CHORAR

COM MUITA LUTA E SUOR
COMPRAMOS NOSSOS INSTRUMENTOS
E HOJE ESTAMOS VENDENDO
PRA TENTAR SOBREVIVER
NÃO DÁ MAIS PRA SEGURAR

A HORA É DE GRITAR
SOLTE A SUA VOZ
ESSA LUTA NÃO É SÓ MINHA
É DE TODOS NÓS.

(H. Montnegro)