34.3 C
Rio Branco
26 setembro 2021 7:05 pm

“Tenho medo de um dia levar um tiro”, diz médica da UPA da Sobral ao denunciar insegurança

Segundo o sindicato dos médicos, as denuncias cresceram após a demissão coletiva dos vigilantes

POR NANY DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 31/07/2021 08:29

“Fui ameaçada de morte mais de uma vez, aqui, na emergência. Tenho medo de um dia levar um tiro”. O forte desabafo é d e uma médica que atua na Unidade de Pronto Atendimento (UPA)  da Sobral e foi revelada pelo Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) após receber diversas outras queixas sobre a falta de segurança no local.

Segundo o sindicato, as denuncias cresceram após a demissão coletiva dos vigilantes e o Sindmed promete cobrar da Secretaria de Estado Saúde (Sesacre) a resolução do problema de forma imediata.

“Há anos, o Sindicato vem cobrando melhorias, com uma quantidade maior de seguranças e até a abertura de postos fixos para policiais militares, mas o governo vem ignorando”, alertou o presidente do Sindmed-AC, Guilherme Pulici.

O diretor sindical, Ítalo Maia, os relatos geram muita preocupação e representam a possibilidade de existir mortes, como a ocorrida em Sena Madureira, em 2014, quando a funcionária do setor de serviços gerais Ivanilde da Costa Rodrigues, de 63 anos, foi morta durante um assalto ao Hospital João Câncio Fernandes.

“O governo atuará depois que existir alguma morte? Pacientes, acompanhantes e servidores são vítimas de furtos, assaltos, ameaças e agressões, mas o poder público não apresenta resolução”, protestou Ítalo.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.