22.3 C
Rio Branco
24 setembro 2021 7:17 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

A anomalia da “greve sanitária” não vai prejudicar Rondônia. As aulas presenciais voltam dia 9

POR SÉRGIO PIRES, PARA CONTILNET

Quem manda na Educação do Estado? A pergunta é pertinente, porque o Sintero, vivendo ainda os tempos da República Sindicalista, felizmente semisepultada, quer decidir quem manda no ensino público de Rondônia. Jamais impediu que professores que lecionam nas duas redes (estadual e privada), deixassem de comandar as aulas nas escolas particulares, até antes de se começar a falar em vacinação em massa da categoria. Calou-se, porque na iniciativa privada ele, o poderoso sindicato, não apita.

Mas quando trata-se de servir à coletividade, quando se trata de coisa pública, de dinheiro público, vale tudo, até inventar uma tal “Greve Sanitária”, uma forma de tirar sarro da cara das nossas autoridades e do povo rondoniense. Felizmente, é do tipo de ação que não vai dar em nada, até porque as maiores autoridades do Estado e suas instituições (incluindo Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas, Agevisa, Seduc e outras), que formam o gabinete organizado para planejar a volta às aulas presenciais, todas pensam muito mais na sociedade do que a minoria ideológica que domina o Sintero. Ou seja, o retorno presencial será mesmo na próxima segunda-feira, dia 9, queira ou não a minoria que dita as leis no Sintero.

O que a Seduc constatou, nos últimos dias e na sexta-feira, quando a tal “Greve Sanitária” foi anunciada, é que a grande maioria dos professores está se reunindo normalmente nas escolas, preparando a volta presencial. Todos eles estão vacinados com a primeira dose e aguardam a segunda, para os próximos dias, até porque o prazo desta segunda dosagem foi antecipada pelas autoridades sanitárias.

De vez em quando, a gente ainda sonha ficar livre do sindicalismo político-partidário, que tomou conta do Brasil nas últimas décadas. Nadando no dinheiro público, algumas instituições cresceram e se tornaram imensas, formando uma espécie de republiqueta com suas próprias leis e com imenso poder, inclusive de paralisar o país. Aos poucos, essa absurda anomalia foi perdendo a força e a República Sindicalista parou de mamar nas tetas da nossa grana, do dinheiro do povo brasileiro. Mas há ainda, aqui e ali, algumas tentativas de mostrar quem manda. É o que o Sintero, outra vez, aliás, tenta fazer contra Rondônia.

Com meia dúzia de dirigentes e alguns poucos seguidores, que ignoram as necessidades das crianças e de suas famílias, o sindicato cria um factoide, tentando impor vontades e exigindo isso e aquilo, como se ainda tivesse o poder de mando e desmando, como o tinha em tempos petistas. Claro que o poder ainda pode voltar para eles, caso o povo brasileiro seja tão burro que aceite que retornemos ao atraso e a ladroagem das quadrilhas, que se formaram para assacar nossos cofres, como o fizeram na Petrobras, nos Correios e em tantas outras instituições. Mas, por enquanto, não são mais eles quem mandam. Felizmente. Ou seja, as aulas voltam na segunda que vem!

Leia mais no blog OPINIÃO DE PRIMEIRA.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.