28.3 C
Rio Branco
14 setembro 2021 11:27 pm

Ana Marcela supera doença autoimune e conquista ouro em Tóquio em maratona aquática

Antes de chegar a Tóquio, enfrentou uma grave doença autoimune que a obrigou a se submeter a uma cirurgia

POR RAZÕES PARA ACREDITAR

Última atualização em 04/08/2021 11:29

Ao subir ao topo do pódio olímpico na última terça-feira, 3, a nadadora Ana Marcela Cunha deixou para trás traumas acumulados nas Olimpíadas de Londres (2012) e Rio (2016).

Antes de chegar a Tóquio, enfrentou uma grave doença autoimune que a obrigou a se submeter a uma cirurgia.

Nada disso, no entanto, impediu que a atleta soteropolitana alcançasse um antigo sonho em sua carreira: a conquista do ouro.

Promessa olímpica aos 16 anos nos Jogos de Pequim, em 2008, Ana Marcela conquistou a quinta colocação na Ásia e despontou como um dos grandes nomes da maratona aquática brasileira.

Apesar da expectativa, Ana Marcela não conseguiu a classificação para os Jogos de Londres-2012, causando uma grande frustração em sua carreira.

Nos jogos do Rio de Janeiro, uma nova frustração. A nadador, até então uma das favoritas na competição, encerrou a maratona apenas na décima colocação.

Renovada para Tóquio

Eleita seis vezes a melhor maratonista aquática do mundo, Ana Marcela chegou a Tóquio no auge de sua carreira e em busca da primeira medalha olímpica.

Em 2017, a atleta descobriu uma doença autoimune e precisou retirar o baço para evitar complicações no futuro. Recuperada, a atleta se tornou mais um símbolo de superação e, 13 anos depois de sua primeira competição, chegou ao topo do pódio em Tóquio.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.