33.3 C
Rio Branco
13 outubro 2021 2:50 pm

Novo golpe pelo Whatsapp: veja como é para não virar vítima

POR ND+

Última atualização em 19/09/2021 14:13

Dalva Brasil, aposentada, ainda não se recuperou do trauma que sofreu depois de cair em um novo golpe identificado pela Polícia Civil em vários Estados brasileiros.

mensagens de um golpeFoto: Montagem de fotos/Divulgação ND

O aplicativo de mensagens de Whatsapp vem sendo duplicado. O criminoso utiliza a foto do aplicativo, pega outro número e se passa pela pessoa e entra em contato, principalmente, com parentes.

Se passando pelo filho da aposentada, o golpista iniciou uma conversa dizendo que tinha trocado o número de celular.

“Eu recebi através do whatsApp, veio um número. A hora que eu abri, disse: mãe, adiciona esse número aí porque agora nós só vamos nos falar através dele. Daí eu respondi, ok, por que?”, conta Dalva.

No histórico da conversa fica claro. O criminoso age rápido, não dando tempo para a vítima pensar.

“Mãe, eu preciso que você me faça uma favor, eu preciso fazer um depósito, pagar e não estou conseguindo acessar minha conta. Eu falei, tudo bem. Eu automaticamente peguei ali a chave do pix e enviei o dinheiro. Eu caí em um golpe”, revolta-se Dalva Brasil.

Quando o filho chegou na casa da mãe, ela disse que tinha enviado o dinheiro que ele supostamente havia pedido. O filho, surpreso, disse: “Mãe, que dinheiro? Eu não te pedi dinheiro”.

Neste momento, Dalva se flagrou que caiu em um golpe.  “Meu Deus. Entrei em pânico”, lembra a aposentada.

Golpes aumentaram 290%

O  que aconteceu com a Dalva faz parte de uma estatística preocupante: o aumento no número golpes pela internet. De janeiro a junho de 2020, a Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina registrou 1082 golpes pela internet. Este ano, no mesmo período, o número foi bem maior, 4056, um aumento de 290%.

Os números

  • Janeiro a junho de 2020
    1.082 golpes pela internet
  • Janeiro a junho de 2021
    4.056 golpes pela internet
  • AUMENTO DE 290%

Esta não é a primeira vez que a imprensa fala sobre este tipo de crime. Ao fazer uma pesquisa no sistema com a palavra “golpes” é possível notar que ela aparece mais de 600 vezes desde o início da pandemia até agora. São variados, como golpes de agência de modelos, golpe de criptomoedas, golpe do aluguel, enfim, diversos crimes dessa modalidade. É por isso que a informação é a principal ferramenta para auxiliar no combate a este crime.

delegado murilo batalhaMurilo Batalha, delegado da Divisão de Investigação Criminal. – Foto: Reprodução vídeo/Divulgação ND

Murilo Batalha, delegado da Divisão de Investigação Criminal, orienta as pessoas a estarem sempre atentas à tática usada pelos criminosos.

Dicas para não cair

“A linguagem já diz tudo. Quando os criminosos começam a conversar com a pessoa a gente já consegue perceber que, na maioria das vezes, que trata-se de um golpe. Links maliciosos temos de tomar muito cuidado, links de agências bancárias que solicitam pagamentos ou algum dado. Código via SMS: nenhum banco pede código SMS. Normalmente, quando isso acontece é um golpe para clonar o aplicativo de troca de mensagens. Então, é importante não passar nenhum tipo de informação”, alerta Batalha.,

Se a pessoa desconfiar deve procurar a Polícia Civil, a agência bancária ou algum órgão é que possa proteger o consumidor, sugere o delegado.

Dona Dalva teve um prejuízo financeiro de R$ 980,00, mas o emocional não dá para calcular.

aposentada caiu em um golpeDalva Brasil ficou emocionalmente abalada após cair no golpe.  – Foto: reprodução vídeo/Divulgação ND

“Sempre tive cuidado com esse tipo de coisa, nunca passei nada  por telefone, meus dados, sempre alertando meu filho. Abala emocionalmente porque a gente fica se culpando, como uma pessoa sempre preocupada…. Eu tenho até medo de atender o telefone agora”, desabafa a Dalva Brasil.

*Com informações de Ricardo Moreira, repórter e apresentador da NDTV Record Joinville.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.