16.3 C
Rio Branco
21 maio 2022 3:29 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Blog do Ton: O motivo de Edivan ter ido para a Sepa, sua conversa com Cameli e opinião sobre Bittar

O Blog do Ton é assinado pelo jornalista Ton Lindoso, editor-chefe do ContilNet, e traz os bastidores da política acreana, comunicação e sociedade

POR TON LINDOSO, DO CONTILNET

Última atualização em 28/04/2022 19:49

Última atualização em 02/05/2022 05:26

O bom filho a casa tornou: a recondução de Edivan Azevedo à Sepa foi um dos assuntos mais comentados dos últimos dias. Não somente pela sua volta – que é comemorada pelo time do agronegócio – mas pelo início dos rumores de um estresse entre Gladson Cameli e Marcio Bittar.

Nosso Blog teve acesso às informações de como aconteceu a recondução. Há meses atrás, antes da filiação de Azevedo ao PL – convite que partiu de Valdemar Costa Neto, como compartilhou nas redes em março deste ano –, seu nome teria sido cogitado para regressar à pasta após a notícia de que Nenê Junqueira seria pré-candidato à Câmara pelo Republicanos. Última conversa entre Gladson e Edivan – a que o colocou de volta à Sepa – teria sido mais ou menos assim:

– Edivan, você é pré-candidato?
– Minha família não quer…
– Mas e o seu coração? O que diz?
– Existe essa possibilidade. Não sei se é o que eu realmente quero.
– Se você for um candidato, eu quero te ajudar da maneira que puder. Se você não for, eu quero que você volte a comandar a Sepa.

Tempos depois, aconteceu o encontro acima citado, registrado em fotos nas redes e um prego que ainda não estava batido: “Fiquei de pensar”, escreveu em legenda sobre uma possível candidatura. Agora, em abril, a resposta veio após afirmativa de Edivan para comandar a pasta. E vastas publicações em sites de notícias.

Ao Blog do Ton, o secretário afirma que não era candidato. Esclareceu: “Ao retornar ao PL, coloquei meu nome à disposição do partido para pensarmos juntos em uma possível candidatura de federal. Mas nunca me posicionei como pré-candidato”.

Edivan elogia Gladson, a quem chama de humilde e democrático, e Marcio, a quem define como um dos homens mais inteligentes da política. “O Marcio é o meu senador, e Gladson é meu governador”. Sobre um virtual estresse entre ambos, crava: “O melhor caminho para o Acre é a união dessa dupla”.

União

Se as orações de Edivan chegarem aos anjos, uma conversa pode colocar fim a qualquer possibilidade de animosidade entre ambos. Gladson adiantou ao ContilNet que uma conversa com o senador está marcada para acontecer em Brasília. Na próxima semana.

Candidaturas do agro

Sobre candidaturas majoritárias classificadas como ‘candidaturas do agro acreano’, Edivan afirma ter admiração pelos nomes postos, mas diz que eles não representam a categoria como um todo. “São candidaturas independentes”.

Projeto

Edivan faz parte de um projeto da consolidação da relação que Gladson tem com essa categoria. Ele é vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Acre (Faeac), tem histórico na presidência do Sindicato Rural do Acre e tem décadas de carreira nessa pasta, com apoio de setores da indústria, produção, comércio e por aí vai. É um quadro técnico que sempre fez um ótimo trabalho e possui em sua órbita essas categorias – e a benção de seus representantes.

Projeto²

À frente de uma das pastas mais discutidas – aqui e lá fora – e vistas como o caminho para o desenvolvimento do Acre, Edivan tem bagagem de sobra para continuar o trabalho que já vinha fazendo. Desejo sucesso.

Produto de luxo

“O gás de cozinha virou produto de luxo em cidades do Acre: o botijão de 13 quilos custa R$ 150 e já representa 16% da renda média das famílias do Estado”. Coluna do José Casado, da Veja.

Empobreceram

“Os residentes no Acre empobreceram nos últimos dois anos, como os demais brasileiros. A renda individual diminuiu no ano passado. Ficou em R$ 888, uma queda de 3,1% em relação aos R$ 917 na média de 2020, informa o IBGE”. Mesmo material.

Esperava

“Eu esperava que a Marina estivesse aqui. Minha relação com a Marina é muito antiga, é muito grande. Eu às vezes não sei porque ela vai contra mim, num momento de raiva. Mas quero dizer pra vocês que aprendi a gostar da Marina quando ela ainda era menina lá no estado do Acre”. Relatou Lula em evento que o partido da acreana, a Rede, anunciou apoio ao presidente.

Bedelho

Será que a disputa pelo nome da ponte sobre o rio Madeira vai entrar no hall da ‘rixa’ entre Acre e Rondônia? Uma coluna do Diário da Amazônia traz o seguinte título: “Não é de hoje que os acreanos adoram meter o bedelho em assuntos rondonienses”.

Bedelho²

Dos nomes propostos e que tramitam em Brasília, estão: senador Marcio Bittar (AC), homenageando o governador Wanderley Dantas, e deputado federal Mauro Nazif (RO), concedendo a homenagem ao arcebispo Dom Moacir Grechi.

Perde tempo

“Quem perde tempo, perde votos”. De um assessor ligado a uma importante figura acreana – que, ironicamente, não anunciou ainda qual cargo disputa nessas eleições. Deveria ouvir o conselho de seu pupilo.

Show dos removidos

Depois dos últimos acontecimentos políticos, houveram algumas pontuais remoções em grupos de WhatsApp dos aliados de Gladson Cameli.

É Bolsonaro

“No Acre, o União Brasil é Bolsonaro”. Brado do poderoso Marcio Bittar, em evento que chancelou pré-candidatura de Márcia Bittar e que contou com a presença de Flávio Bolsonaro. Não preciso dizer que foi ovacionado. Preciso?

Tem que tirar todo mundo

Ainda do comentado evento com Flávio Bolsonaro, Márcia falava sobre senadores petistas, quando alguém gritou: “Tem que tirar todo mundo de lá!”. Márcia parou de falar, olhou e disse: “Tem! Vamos tirar. Mas esses dois aqui não”, referindo-se a Marcio e Flávio. Arrancou risadas.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.