20.3 C
Rio Branco
1 julho 2022 10:20 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Além da confissão, elementos ‘reforçam’ que agente de portaria matou servidora do TRT em Manaus

A Polícia Civil do Amazonas divulgou nota, nesta segunda-feira (6), após a defesa de Caio Claudino afirmar que o suspeito quer mudar a versão do depoimento dado à Delegacia de Homicídios

POR G1 AM

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) divulgou uma nota, nesta segunda-feira (6), em que afirma que, além da confissão, outros elementos “reforçam” que o agente de portaria Caio Claudino matou a servidora do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região Silvanilde Ferreira.

A divulgação da nota ocorre após a defesa do suspeito afirmar que ele quer mudar a versão do depoimento dado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Crime e prisão

Silvanilde foi assassinada no dia 21 de maio, dentro do próprio apartamento, situado em uma área nobre de Manaus. Caio Claudino foi preso no dia 31. De acordo com a Polícia Civil, o agente de portaria estava sob efeito de drogas e matou por dinheiro.

Ao ser preso, o suspeito confessou o crime. No entanto, nesse fim de semana, ele disse à defesa que quer mudar a versão.

Em nota divulgada nesta segunda-feira (6), a Polícia Civil disse que a confissão é apenas um dos elementos corroborativos que levaram Caio a ser apontado como autor desse crime. De acordo com a a PC, no Inquérito Policial, existem outros elementos que reforçam que Caio Claudino “tirou a vida da servidora federal”.

Suspeito quer mudar versão

No sábado (4), o advogado do agente de portaria, Samarone Gomes, contou ao g1 que esteve com o suspeito na sexta-feira (3), no Centro de Detenção Provisória (CDP). Lá, Caio Claudino disse que nunca esteve no apartamento de Silvanilde e, portanto, não a matou.

“O Caio, no dia da prisão dele, estava muito alterado. Tinha muita imprensa, ele também estava muito assustado. Ele falava coisa com coisa. Uma hora dizia que tinha dado uma facada, uma hora dizia que não. Então, falei que ia esperar passar esse estado dele. Fui lá ontem e a narrativa dele mudou. É a narrativa dele”.

“Ele disse que não esteve no apartamento e que não foi ele. Ele não esteve no apartamento”, contou.

Embora ainda não tenha apresentado nada à polícia, o advogado levantou suspeita sobre os elementos que foram apresentados, como as imagens das câmeras de segurança do sistema interno do condomínio onde Silvanilde morava. Para ele, se Caio Claudino tivesse assassinado a vítima, o agente de portaria estaria todo coberto de sangue.

“Nas câmeras aparece, ele entrando e saindo. Ele entra no andar dela e depois ele sai. Se você olhar as imagens do elevador, não tem um pingo de sangue. A mancha [de sangue] no braço aparece depois, na moto, ele dirigindo. No elevador não tem nada. no caso de corte na jugular o sangue pode espirrar em até dois metros”, argumentou.

No entanto, segundo a Polícia Civil, a defesa de Caio Claudino ainda não solicitou um novo depoimento junto à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para apresentar os novos fatos.

Prisão mantida

No dia 1º, a Justiça do Amazonas manteve a prisão de Caio Claudino, e negou os pedidos da defesa para que ele respondesse o processo em liberdade provisória ou que fosse internado para tratamento de dependência química.

A decisão de homologar a prisão temporária de Caio Claudino foi assinada pelo juiz Caio Cesar Catunda de Souza, plantonista das Audiências de Custódia do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

“Verifico que foram atendidas as formalidades legais necessárias para o efetivo cumprimento do Mandado de Prisão em desfavor do acusado, não se vislumbrando qualquer vício que possa macular a Ordem”, argumentou o magistrado em sua decisão.

Entenda o caso

De acordo com Boletim de Ocorrência (BO) registrado no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na madrugada do dia 22, o corpo da servidora foi encontrado pela filha da vítima, Stephanie Veiga, ainda na noite do dia 21, um sábado.

Ela estava morta dentro do apartamento em que as duas moravam. O imóvel fica no bairro Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus.

À polícia, Stephanie disse que tinha saído com o namorado, Igor Gabriel Melo e Silva. Ela afirmou, ainda, que tentou contato com a mãe duas vezes, por volta das 22h do dia 21, sem obter sucesso.

Stephanie disse que pediu ajuda ao porteiro do condomínio, que informou que ninguém atendia o interfone. O profissional disse à filha que os veículos estavam todos nas respectivas vagas.

De acordo com o BO, a filha decidiu ligar para a mãe depois que recebeu um alerta no celular.

Ainda conforme o boletim, a jovem voltou ao apartamento junto com o namorado e encontrou o corpo da mãe estendido no chão da sala, de bruços sobre uma poça de sangue. O local não tinha sinais de arrombamento e o celular da vítima foi levado.

Silvanilde era diretora da 15ª Vara do Trabalho de Manaus, do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT-11).

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.