28 de maio de 2024

Dia Mundial do Alzheimer: 3 boas notícias recentes para pessoas com demência

Diagnóstico pelo sangue, novos remédios, e nova compreensão da doença, são avanços recentes

Mais de 55 milhões de pessoas sofrem com demência no mundo – Getty Images via BBC

21 de setembro é o Dia Internacional do Alzheimer. A data foi instituída para chamar a atenção para uma doença que afeta o cérebro de cada vez mais pessoas.

De acordo com a Associação Internacional da Doença de Alzheimer, uma pessoa desenvolve demência a cada três segundos. São mais de 55 milhões de indivíduos acometidos por essa condição, que afeta as memórias e o raciocínio.

No Brasil, o Ministério da Saúde estima que 1,2 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência —e 100 mil novos casos são diagnosticados a cada ano.

A seguir, separamos três boas notícias que foram divulgadas recentemente sobre o Alzheimer. Elas têm o potencial de mudar a forma como a doença é diagnosticada, tratada (e até compreendida).

1. DIAGNÓSTICO PELO SANGUE

Em resumo, a doença de Alzheimer é marcada por dois processos principais. Na primeira delas, ocorre o acúmulo de uma proteína chamada beta-amiloide nos espaços entre os neurônios.

Anos depois, essas células nervosas são afetadas por outra proteína, conhecida como TAU.

O resultado disso é a morte dos neurônios, o que leva ao aparecimento progressivo de sintomas como esquecimentos e dificuldades de raciocínio.

Nas últimas décadas, na busca por novos tratamentos, cientistas aprenderam duas lições valiosas sobre o Alzheimer.

A primeira delas é que a formação dos novelos de beta-amiloide no cérebro pode ser dividida em uma série de etapas. Elas surgem como monômeros, evoluem para oligômeros e, depois, formam fibrilas. Com o avanço do conhecimento, os especialistas puderam entender em detalhes o que acontece em cada uma dessas fases.

Nomes complicados à parte, na prática isso significa que remédios diferentes podem agir numa fase ou outra desse processo, o que supostamente levaria a resultados melhores ou piores.

“A dúvida era como interferir nessa cascata de eventos, de modo que ela pudesse ser interrompida antes que o quadro se tornasse irreversível”, contextualiza o neurologista Fábio Porto, diretor científico da Associação Brasileira de Alzheimer – Regional São Paulo.

O segundo aprendizado tem a ver com a necessidade de fazer o diagnóstico precoce da doença. Mas se a ideia é tratar indivíduos que sequer apresentaram sintomas (ou ainda estão com incômodos muito leves), como saber quem está com os agregados de beta-amiloide em formação no cérebro?

A necessidade de identificar esses indivíduos levou a uma verdadeira revolução dos exames de Alzheimer.

Embora ainda hoje, nos consultórios médicos, o diagnóstico dependa da avaliação do profissional da saúde e da aplicação de um questionário, já começam a aparecer testes mais assertivos, que conseguem quantificar a proteína tóxica no sistema nervoso.

Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de exames de imagem (como o PET/CT), de líquor (a coleta por punção de uma amostra do líquido presente na medula espinhal e no cérebro) e até do sangue.

E um exame capaz de detectar o Alzheimer no sangue já está disponível no Brasil: nas últimas semanas, o Grupo Fleury trouxe ao país o PrecivityAD2, que detecta proteínas capazes de indicar a presença de placas amiloides no cérebro.

Segundo a empresa, os resultados do teste são comparáveis a outros métodos, como o PET, com o benefício de ser menos complicado e invasivo.

“Acreditamos que este seja um importante passo para o avanço da Medicina e para o ecossistema de saúde nacional. O diagnóstico precoce da doença de Alzheimer impacta diretamente nas intervenções clínicas relacionadas à doença, algo que resulta em um desfecho clínico mais favorável ao paciente”, afirmou Edgar Gil Rizzatti, presidente de Unidades de Negócios Médico, Técnico, de Hospitais e Novos Elos do Grupo Fleury, em comunicado à imprensa.

Em entrevista dada à BBC News Brasil em julho de 2023, o médico Ricardo Nitrini, professor titular de neurologia da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), antevia a chegada de exames do tipo ao país.

“Mas a importância do diagnóstico precoce não é, e nem deve ser, o de criar estigmas, mas, sim, permitir o avanço nos métodos que permitam a prevenção. Nós podemos compará-los aos exames para detecção precoce de câncer de mama ou próstata”, ponderou o neurologista.

“Os maiores avanços da Medicina sempre dependem do diagnóstico muito precoce e da prevenção. E estamos nos aproximando rapidamente deste estágio para a doença de Alzheimer”, completou ele.

2. NOVOS REMÉDIOS

A pesquisa sobre um tratamento para a doença de Alzheimer, o tipo de demência mais comum, passou muito tempo sem grandes novidades. Nas últimas duas décadas, nenhum novo remédio havia sido lançado.

E não foi por falta de tentativas: mais de uma centena de candidatos a novos tratamentos foram avaliados, mas todos frustraram as expectativas de médicos, pacientes e familiares.

O cenário mudou em 2021, com aprovação do medicamento aducanumabe (da farmacêutica Biogen) pela Food and Drug Administration (FDA), a agência regulatória dos Estados Unidos.

Vale dizer que a liberação deste fármaco gerou controvérsias na comunidade científica, e os pedidos posteriores para uso dele em outros lugares (como Europa e Brasil) foram negados.

No início de 2023, outra medicação contra esse tipo de demência recebeu sinal verde em terras americanas: o lecanemabe (dos laboratórios Eisai e Biogen). Ainda não há previsão de quando ele chegará ao Brasil.

E mais uma opção pode estar a caminho: na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer de 2023, realizada na Holanda, foram apresentados os resultados positivos dos estudos com o donanemabe (Eli Lilly), que foi capaz de frear a progressão dos sintomas da doença.

Por um lado, os avanços recentes foram comemorados e renovaram as esperanças, ao indicarem saídas para ao menos atrasar a perda das memórias e do raciocínio.

A ideia de usar anticorpos monoclonais como aducanumabe, lecanemabe e donanemabe para “varrer” a beta-amiloide do cérebro de pacientes com Alzheimer surgiu como uma tentativa de interromper a evolução da doença.

No universo da demência, porém, os primeiros testes com esses fármacos acabaram frustrados. Algumas versões anteriores dos anticorpos monoclonais até conseguiam limpar a beta-amiloide do sistema nervoso, mas isso não se traduzia em melhoras clínicas entre os voluntários.

Ou seja: o cérebro deles até apresentava menos quantidade dessa proteína tóxica, mas os impactos nas lembranças e no pensamento continuavam a avançar de forma desenfreada.

Mas aí os especialistas tiveram outra ideia. O Alzheimer é uma doença progressiva e lenta —e há uma janela de anos ou até décadas entre o início do acúmulo da beta-amiloide e o aparecimento dos primeiros sintomas.

E se os remédios fossem usados justamente nessa fase, classificada como comprometimento cognitivo leve ou demência inicial? Foi justamente o que foi testado, com relativo sucesso, com lecanemabe e donanemabe.

Os testes com o lecanemabe, por exemplo, envolveram 1795 participantes com quadros demenciais leves. Metade deles recebeu o remédio, enquanto a outra parcela tomou placebo, uma substância sem nenhum efeito terapêutico. Todos passaram por exames e testes cognitivos para comparar os resultados.

Ao final de 18 meses de experiência, o grupo que usou esse anticorpo monoclonal tinha menos beta-amiloide e apresentava um “declínio moderadamente menor nas medidas de cognição e função” quando comparado a quem tomou placebo.

Com o donanemabe, o esquema foi parecido: 1.736 voluntários divididos em duas turmas (remédio versus placebo) acompanhados por um ano e meio.

Os resultados também mostram uma desaceleração de até 60% do declínio cognitivo em quem recebeu a terapia.

Mas como traduzir essas informações para a prática?

“Essa redução do declínio significa que os pacientes que fizeram o tratamento pioraram menos que aqueles que tomaram placebo. Mas eles não deixaram de piorar”, responde Porto.

“Foi possível atrasar a progressão das fases da doença de Alzheimer em cerca de quatro a seis meses”, complementa o médico.

Ou seja: o tratamento com os anticorpos monoclonais funcionou como uma espécie de freio, que segurou por um tempo extra a evolução do Alzheimer para as etapas mais graves e incapacitantes.

“Essas medicações definitivamente conseguem reduzir substancialmente os depósitos de amiloide. Isso é inequívoco e indiscutível. Mas ainda temos um efeito clínico modesto, que talvez seja difícil de ser mensurado do ponto de vista individual”, analisa o neurologista Paulo Caramelli, professor titular do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

“Para as pessoas que eventualmente usarem esses medicamentos, isso é algo que precisará ser muito bem explicado”, pontua o médico.

Mas essas medicações ainda geram certas preocupações na comunidade médica, como o fato de os resultados serem considerados “modestos”, os efeitos colaterais “potencialmente graves” e os preços “extremamente altos” —como você entende em detalhes nesta reportagem.

3. NOVA COMPREENSÃO DA DOENÇA

O jornalista James Gallagher, da BBC News, publicou recentemente uma reportagem sobre uma pesquisa feita no Reino Unido e na Bélgica que detalha a forma como o Alzheimer “mata” os neurônios.

Há décadas, este é um mistério e fonte de intenso debate científico.

Em artigo publicado na revista Science, a equipe associou as proteínas anormais que se acumulam no cérebro com a “necroptose” —uma forma de suicídio celular.

As descobertas foram descritas como “interessantes” e “excitantes”, pois abrem caminho para novas ideias para o tratamento da doença.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa de Demência do Reino Unido, nas universidades College London e KU Leuven, na Bélgica, apontam que a amiloide anormal começa a se acumular nos espaços entre os neurônios, levando a uma inflamação cerebral —algo que é nocivo aos neurônios. Isso começaria a mudar sua química interna.

Emaranhados de TAU começam a surgir e as células cerebrais começam a produzir uma molécula específica, chamada MEG3, que provoca sua morte por necroptose.

A necroptose é um dos métodos que nosso corpo normalmente usa para eliminar células indesejadas à medida que células novas são produzidas.

As células cerebrais sobreviveram quando a equipe conseguiu bloquear a MEG3.

“Esta é uma descoberta muito importante e interessante”, disse à BBC o pesquisador Bart De Strooper, do Instituto de Pesquisa de Demência do Reino Unido.

“Pela primeira vez temos uma pista sobre como e por que os neurônios morrem na doença de Alzheimer. Tem havido muita especulação nos últimos 30 a 40 anos, mas ninguém foi capaz de identificar os mecanismos”, afirmou Strooper.

Estas respostas vieram de experimentos em que células cerebrais humanas foram transplantadas para cérebros de camundongos geneticamente modificados.

Os animais foram programados para produzir grandes quantidades de amiloide anormal.

O professor De Strooper diz que a descoberta de que o bloqueio da molécula MEG3 pode adiar a morte das células cerebrais poderá abrir caminho para uma “linha totalmente nova de desenvolvimento de medicamentos”.

No entanto, isso levará anos de pesquisa.

Tara Spires-Jones, professora da Universidade de Edimburgo e presidente da Associação Britânica de Neurociências, disse que “este é um artigo interessante”.

Ela afirma que o estudo “aborda uma das lacunas fundamentais na pesquisa sobre Alzheimer”

“Estes resultados são fascinantes e serão importantes para o avanço neste campo.”

No entanto, ela enfatizou que “muitos passos são necessários” antes de sabermos se as descobertas poderão ser aproveitadas como tratamento eficaz para a doença de Alzheimer.

Este texto foi publicado originalmente aqui.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost