28 C
Rio Branco
6 maio, 2021 6:15 pm

Ricardo Leite diz que prejuízo de invasão é mais do que financeiro: “Falta segurança”

"Me preocupa tudo isso. Parece que está se levantando um poder paralelo ao Estado"

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Após um invasão de terras registrada nesta quarta-feira (21) na região de Vista Alegre do Abunã (RO), distrito do município de Porto Velho, a reportagem do ContilNet procurou o empresário acreano Ricardo Leite, o Rico, dono da propriedade, para comentar o assunto.

Cerca de 40 homens armados com foices, espingardas e terçados entraram pelos fundos da propriedade e praticaram vários crimes. Os criminosos derrubaram a torre de comunicação do local, atearam fogo no curral, na casa principal e em dois tratores. Além disso, torturaram um dos peões.

Leia também: Invasores da fazenda de Rico seriam ‘guerrilheiros’ comandados por ex-professor da Ufac

Propriedade destruída/Foto: Reprodução

“É inadmissível que isso aconteça em um Estado que tem forças de Segurança para combater esse tipo de coisa. O prejuízo é mais do que financeiro, se trata da falta de segurança e um ataque ao direito à propriedade privada”, explicou Rico.

“É crime ambiental também sendo cometido”, continuou.

Quando questionado sobre quem seriam os autores do crime, Ricardo afirmou que se trata de uma milícia que praticou o mesmo crime em 2020, em uma propriedade vizinha.

Peão da fazenda foi torturado/Foto: Reprodução

O prejuízo financeiro ainda não foi calculado, de acordo com Leite.

“Imagina a sensação de indignação… Invadem a sua casa de forma violenta e cruel. As autoridades, incluindo a Polícia Federal, as forças de Segurança Estaduais, precisam fazer alguma coisa por isso”, continuou o empresário.

A polícia de Rondônia está investigando o crime para chegar aos autores da violência.

Informações extraoficiais dão conta que o grupo faz parte de uma chamada liga Camponesa dos Pobres ou Liga Camponesa dos Pobres (LCP), ex-integrante do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra).

“Eles também querem invadir a reserva legal da propriedade. Por isso é um problema de segurança pública e de ordem ambiental. Estamos vivendo um momento de insegurança jurídica nesse país. O destino deles é tirar as pessoas para lotear as reservas legais e vender, em seguida. São grileiros e criminosos travestidos de movimentos sociais”, concluiu.

Ao final da entrevista, Ricardo acrescentou: “Me preocupa tudo isso. Parece que está se levantando um poder paralelo ao Estado”.