30.3 C
Rio Branco
2 agosto 2021 6:56 pm

Deputado do AC e filho de Bolsonaro batem boca na Câmara: “Filhote de genocida!”

“Canalha” e “filhote de genocida” foram os adjetivos utilizados num bate boca durante audiência

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Uma bate-boca, com troca de acusações e adjetivos nada edificantes, foi a principal tônica de uma audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) da Câmara dos Deputados, na tarde desta quarta-feira (23), envolvendo o deputados Leo de Brito (PT-AC), e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Informações vindas da Câmara dão conta de que por pouco, os dois não saem no tapa e ambos se ofenderam com os adjetivos.

O deputado acreano foi chamado de canalha e devolveu à agressão ao filho de Jair Bolsonaro chamando-o de filhote de genocida. A audiência ouvia o ministro do Turismo, Gilson Machado, e o secretário Nacional de Cultura, Mário Frias, convidados a prestar esclarecimentos, quando começaram os ataques entre os dois parlamentares.

A audiência discutia a pretensão do presidente Jair Bolsonaro para a edição de decreto, dando nova redação à lei de direitos autorais e ao marco civil da internet, impedindo que as redes sociais sofram o que o governo chama de censura ideológica. Os deputados também debatiam o PL 2630/2020, conhecido como Lei das Fake News, que já foi aprovado no Senado e vem sendo debatido na Câmara dos Deputados.

O bate-boca entre os dois deputados passou a ocorrer com a interrupção de Eduardo Bolsonaro ao discurso de Leo de Brito, quando questionava os convidados sobre a disseminação de notícias falsas acerca da vacina contra a Covid-19 e sobre o tratamento precoce que não tem comprovação científica. De acordo com Leo de Brito, isso levou muita gente a não confiar na eficácia do imunizante e, consequentemente, a não se vacinar.

Eduardo Bolsonaro, visivelmente irritado, interrompeu a fala de Leo de Brito, que reagiu e o chamou de “filhote de genocida”. No vídeo divulgado nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro se refere aos petistas como “canalhas e saqueadores dos cofres públicos”. O petista se refere a Jair Bolsonaro e ao governo como “genocida”, em razão das mais de 500 mil mortes pela covid-19.

“Lamento o episódio desrespeitoso protagonizado pelo deputado Eduardo Bolsonaro. Estávamos fazendo um debate sério com o ministro do Turismo, falando sobre a questão da internet, sobre o Turismo no Brasil, quando infelizmente fui interrompido de maneira afrontosa pelo filho do presidente da República, deputado Eduardo Bolsonaro, que me atacou na tentativa de cercear minha fala, meus questionamentos. Esse tipo de comportamento não me amedronta, mas envergonha o parlamento, vou continuar expressando minhas opiniões e fazendo as críticas devidas a esse governo irresponsável”, disse o deputado num vídeo que ele próprio divulgou nas redes sociais.

VÍDEO:

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.