17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 9:34 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Marfisa deverá ser convocada a ir à Câmara Municipal para dar esclarecimentos sobre contratos

Galvão terá que explicar o motivo de tanta dispensa de licitação na contratação de bens e serviços pela Prefeitura

POR TIÃO MAIA, PARA O CONTILNET

A vice-prefeita e secretária municipal Marfisa Galvão deverá ser convocada a se explicar na Câmara Municipal de Rio Branco por estar sob sua assinatura a maioria das contratações de bens e serviços, pela Prefeitura Municipal, com a suspensão de licitação.

A convocação será proposta pelo vereador Fábio Araújo (PDT). O clima na Câmara Municipal é de que a convocação será aprovada por unanimidade.

Até uma empresa do Paraná…

Um dos questionamentos a ser feito será quanto à hospedagem, no Hotel Loureiro, no centro da Capital, e contratação de comida. De acordo com os questionamentos, além da dispensa do processo licitatório, os preços pagos à empresa estão bem acima do praticado no mercado, como, por exemplo, um marmitex, a chamada quentinha, a R$ 30,00. O preço real, em qualquer outro restaurante, sai na casa de R$ 15,00, com a mesma quantidade de comida.

Até uma empresa do Paraná, terra do prefeito Tião Bocalom, está pegando carona na dispensa de licitação e os vereadores querem saber a razão desses preços e o não-cumprimento da lei que exige licitação para aquisição de bens e serviços.

Uma grana alta pelo aluguel de prédio em Rio Branco

A última dispensa de licitação na Prefeitura agora envolve a Secretaria Municipal de Educação. Assinada pela secretaria Nabiha Bestene, a dispensa contrata a locação de um galpão, com cinco salas, na Via Chico Mendes, no bairro do Amapá, pela considerável quantia de R$ 400 mil por mês. O prédio serviria como almoxarifado para materiais e arquivos da Prefeitura.

Vereadores vão questionar o valor e a dispensa de licitação.

Salles entra na mira do TCU

Em Brasília, o MPTCU (Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União) pediu, nesta segunda-feira (21), o afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do diretor de proteção ambiental do Ibama, Olímpio Ferreira Magalhães. Os dois são alvos de um pedido de investigação no TCU por suposta “ingerência indevida” em uma licitação do Ibama, em agosto do ano passado, para definir o fornecedor dos helicópteros usados pelo órgão. O pedido de investigação é assinado por Lucas Furtado, subprocurador-geral do MPTCU. Em uma representação ao tribunal, ele afirmou ver indícios de “ato de gestão ilegal, ilegítimo, antieconômico e infração à norma legal, com potencial de acarretar dano ao erário” na contratação.

Apoio aos bons servidores públicos

Governador Gladson Cameli deverá encampar uma campanha de valorização do servidor público, aquele pontual, que cumpre com seus deveres e honra o serviço público. Para o governador, os maus servidores, os malandros que vivem apresentando atestado, que faltam ao trabalho por qualquer razão, além de não valorizar ou respeitar o serviço público, é uma minoria. Uma minoria cujo comportamento, no entanto, macula todo o serviço público e isso tem que acabar, diz o governador. “Quero que os bons servidores me ajudem a governar. Quando um bom servidor passa a mão na cabeça de um colega que tem mau comportamento, ele está prejudicando a si e ao próprio governo”, disse.

Governo põe R$ 400 milhões na economia

Gladson Cameli disse que tem valorizado o servidor público de todas as formas. Quer ter os servidores, os bons servidores, como parceiros do estado e por isso tem procurado atender, dentro do que é possível, as reivindicações por melhoria salarial. Além disso, tem pago os salários em dia e adiantando parte do décimo terceiro no meio do ano. No final deste mês, com os salários e o adiantamento da primeira parcela do décimo terceiro, o governo colocará em circulação, em todo o Acre, a nada desprezível quantia de R$ 400 milhões – dinheiro suficiente para movimentar a economia local.

Uma boa notícia neste cenário de crise.

Bandeira enlutada

Ainda de Brasília: a deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) se manifestou sobre as 500 mil mortes pela Covid no país. “500 mil amores, 500 mil histórias… Meio milhão de mortos deixam nossa bandeira enlutada. Muitas mortes podiam ser evitadas, se o presidente não tivesse recusado comprar vacinas. Minha solidariedade a todas as famílias que choram a dor da partida”, disse a deputada.

Enfim, a paz entre governador e deputado

Por aqui, depois de alguns perrengues entre o governador Gladson Cameli e o deputado estadual Neném Almeida, as relações entre ambos caminham para a estabilidade política e o parlamentar está cada vez mais firme na base de apoio ao Governo. Aliás, foi o próprio governador que deu a notícia de que, na tarde desta segunda-feira (21), recebeu em seu gabinete, no Palácio Rio Branco, o deputado e o presidente do Sindicato dos Bancários, Eudo Raffael, além do diretor sindical Nilton Aldemir. Neném Almeida é bancário, funcionário do Banco do Brasil e diretor do Sindicato da categoria. “Na oportunidade, nos colocamos à disposição e reafirmamos que estamos de portas abertas para manter o diálogo com o sindicato e a categoria dos bancários”, disse Gladson Cameli.

Irmãos Viana preparam retorno à política

Nos bastidores da política, já não é mais segredo para ninguém que o ex-governador e ex-senador Jorge Viana aceitou o desafio de disputar a vaga de governador, em 2022. Já percebeu que o senador Sérgio Petecão não demonstra interesse em apoiá-lo para o Senado e acha que há espaço parta tentar voltar a ser governador depois da acachapante derrota na tentativa de se reeleger senador em 2018.

O ex-governador Tião Viana, irmão de Jorge, responsável direto pela derrota do PT em 2018 e pela destruição da Frente Popular do acre, também está tentando voltar às luzes da ribalta na política.

Deve ser candidato a deputado federal.

Marcus Alexandre é empurrado para Assembleia

Uma candidatura de Jorge Viana ao Governo e de Tião Viana à Câmara Federal empurra o ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, para a disputa de uma vaga de deputado estadual na Assembleia Legislativa. A ideia do petismo local é fazer com que o ex-prefeito seja um puxador de votos para aumentar o número de deputados de uma bancada petista.

Atualmente, o número de deputados estaduais petista se resumem a dois, Daniel Zen, e Jonas Lima. Jonas, aliás, já se declara independente em relação ao Partido e já anunciou que deve abandonar a política, passando o bastão para seu irmão, Isac Lima, prefeito de Mâncio Lima, que deve renunciar ao mandato em abril do ano que vem para tentar ser deputado estadual.

A dúvida é se continua no PT.

Loro, o retorno!

Outro que se prepara para tentar voltar ao poder é o ex-deputado Lourival Marques. Ele deverá ser um dos nomes apresentados pelo PT para disputar a Assembleia Legislativa. Eleito para apenas um mandato, Lourival, o Loro, como é mais conhecido, foi um bom deputado, com atenção voltada para o setor agrícola, já que é engenheiro agrônomo de profissão.

O problema é que, quando foi deputado, o governador era Tião Viana, um autêntico trapalhão no Governo.

Bené Damasceno pode deixar Prefeitura

Outro que deve deixar a Prefeitura, em Porto Acre, para tentar voltar à Assembleia Legislativa é o prefeito Bené Damasceno. Reeleito prefeito em 2020, ele estaria disposto a deixar a Prefeitura para tentar voltar a ser deputado, sendo inclusive vice-presidente da mesa diretora da Assembleia Legislativa. Com a experiência de quem foi vereador, presidente da Câmara Municipal de Rio Branco, deputado estadual e agora prefeito municipal, ele estaria disposto voltar ao Legislativo.

Manuel Machado está de volta

Quem também se prepara para voltar à política é o ex-deputado estadual Manuel Machado, provavelmente o político mais popular da história do Acre. Ex-vereador em Tarauacá por três mandatos e deputado estadual por dois, quando chegou inclusive a presidir o legislativo e ocupar o governo do Estado interinamente, ele perdeu o poder e os votos não foram suficientes para reconduzi-lo à vida pública.

Mas, em 2022, ele tentará de novo. Está filiado ao PSL.

Cesário Braga

Quem deve concorrer também à Assembleia Legislativa em 2022 é o presidente regional do PT, Cesário Braga. O jovem militante se movimenta bem e acaba de fazer mais uma rodada de visitas a todos os municípios do Acre.

Deve ser bem votado.

Roberto Filho

O ex-deputado Roberto Filho, agora filiado ao PSL, também sonha em voltar à política. Deve ser candidato também em 2022.

Filha de Olavo de Carvalho se filia ao PT

Por falar em PT, quem acaba de se filiar a sigla foi Heloísa de Carvalho, filha do guru bolsonarista Olavo de Carvalho, que vive em polêmicas a partir dos Estados Unidos, onde mora. Ela planeja concorrer a deputada estadual por São Paulo. Segundo Heloísa, a motivação para entrar na política é a “luta contra o obscurantismo bolsonarista” e a plataforma dela deve contar com bandeiras como a defesa de “direitos sociais, cannabis medicinal, emprego e educação”.

Heloísa conta que conheceu Lula, o maior expoente do partido, ainda na década de 1990 e chegou a sentar na mesma mesa que ele em um show do cantor Chico Buarque. “Eu conhecia um pessoal do PT, namorei um assessor do Zé Dirceu quando ele era presidente do PT. Daí meu ex me convidou para o show, pois ele era convidado do Lula”, disse.

Um duro golpe para o guru do bolsonarismo

O astrólogo Olavo de Carvalho, pai de Heloísa, é o principal influenciador da política bolsonarista. A relação entre os dois é conflituosa desde a infância e ela chegou a acusar os pais de abandono. Declaradamente anti-Bolsonaro, Heloísa foi a responsável por revelar que Fabrício Queiroz [do escândalo das rachadinhas com Flávio Bolsonaro] estava escondido no sítio do advogado da família do presidente.

Reunião online de secretários de Educação

A secretária de Estado de Educação, professora Socorro Neri, participou, na tarde desta segunda-feira (21), de um encontro on-line entre estados do Norte com o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Ponte, e seus técnicos. Segundo Socorro Neri, a reunião é resultado de uma solicitação do presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Vitor de Ângelo, ao FNDE, e teve como objetivo aproximar os estados dos técnicos e, consequentemente, buscar resoluções burocráticas de convênios, esclarecimentos e orientações.

Manuel Miranda vai disputar a Assembleia 

O governador Gladson Cameli tirou um tempo de sua agenda no domingo para participar das comemorações do aniversário do empresário Manuel Miranda, em sua residência, no Manuel Julião, seu velho companheiro de militância no PP. Como não poderia deixar de ser, a conversa acabou descambando para a política, quando o empresário, que já foi candidato a vereador várias vezes, sem sucesso, anunciou que será candidato a deputado estadual. Gladson disse que o apoiaria.

Meme de Fernanda Hassem

Prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem (PT), vem sendo vítima de uma campanha de difamação nas redes sociais. Um bate-boca da prefeita com uma pessoa numa das ruas do município acabou virando meme nas redes sociais. Na discussão com o opositor, a prefeita deixa de lado sua habitual gentileza e eleva o tom de voz contra a pessoa que ela acusa de tê-la desrespeitado.

Ao que tudo indica, a popularidade e o trabalho da prefeita incomodam a muita gente.

Derrotas seguidas podem enterrar nomes de vez

Professor Minoru Kinpara estaria mesmo disposto a disputar a única vaga para o Senado, em 2022. Sairia candidato pelo PSD, partido do senador Sérgio Petecão e provável candidato a governador.

Amigos têm aconselhado o educador a sair para deputado estadual. É que, para o senado, o risco de uma derrota, que seria a terceira seguida (Senado em 2018 e Prefeitura de Rio Branco, em 2020). Há quem diga que, em política, três derrotas seguidas costumam enterrar de vez qualquer nome.

A exceção fica por conta do ex-presidente Lula. Mas há quem diga que ele só conseguiu vencer, depois de três derrotas seguidas, porque perseverou pelo mesmo cargo.

Bolsonaro manda repórter calar a boca

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) mandou uma jornalista da TV Vanguarda, afiliada da TV Globo no Vale do Paraíba (SP), calar a boca. A cena relembrou o comportamento do general Newton Cruz em uma icônica entrevista de 1983, em que o militar manda o repórter Honório Dantas se calar e o agride na frente das câmeras.

Bolsonaro faz repeteco da ditadura e manda jornalista ‘calar a boca’. Questionado sobre não utilizar máscaras de proteção contra a covid-19, Bolsonaro manda a repórter da TV Vanguarda se calar enquanto ele fala.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.