32.3 C
Rio Branco
21 outubro 2021 5:25 pm

Ex-parlamentar no AC, empresários e servidor do Incra são alvos de operação na PF

POR NANY DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 07/10/2021 08:13

A Polícia Federal no Acre deflagrou nesta quinta-feira (7), a Operação Tayassu, que investiga organização criminosa estruturada para invadir, adquirir, desmatar e comercializar ilicitamente terras de domínio público federal localizadas na região sul do estado do Amazonas.

Estão sendo cumpridas diversas medidas judiciais, como prisões preventivas, e quatorze mandados de busca e apreensão nas cidades de Rio Branco, Senador Guiomard, Acrelândia, Boca do Acre, Lábrea (AM) e Pauini (AM).

Após investigações, a PF concluiu que o grupo criminoso contava com a participação de empresários de Rio Branco, além de servidor público do INCRA, que atuava no sentido de “esquentar” a documentação das áreas.

Além disso, foi identificada a participação de um ex-parlamentar do Acre que teria adquirido parte das áreas griladas e utilizado para criação de gado.

Ao todo, durante seu tempo de ação, a quadrilha desmatou aproximadamente 1.600 hectares de terras da União, o que equivale a aproximadamente dezesseis milhões de metros quadrados.

A Justiça Federal do Amazonas autorizou o bloqueio/sequestro de bens e valores da Organização Criminosa até o valor de R$ 28.000.000,00, valor estimado pela polícia do dano ambiental causado.

Mais de 100 Policiais Federais  atuam na operação com apoio do Ibama.

Tayassu

O nome da operação faz referência ao principal núcleo do consórcio criminoso, que é composto por indivíduos que são conhecidos popularmente na região Sul do estado do Amazonas como “Queixadas”.

A alcunha lhes foi atribuída em função de sempre andarem em bando e também pela agressividade dos mesmos em suas empreitadas de desmate. Dessa maneira, a nomenclatura “TAYASSU” é uma alusão direta ao nome científico do mamífero conhecido popularmente como “Queixada”.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.