Rio Branco, Acre,


Unesco denuncia saques “em escala industrial” a sítios arqueológicos na Síria

O grupo Estado Islâmico tem justificado a destruição de relíquias históricas com o propósito de eliminar representações e locais de culto nos territórios da Síria e do Iraque.

sauquesA diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Irina Bokova, denunciou hoje que sítios arqueológicos na Síria estão sendo saqueados “em escala industrial” e que os rendimentos destes saques estão sendo usados para financiar os extremistas do Estado Islâmico.

Irina falou sobre o crime em Sófia, capital da Bulgára: “Imagens de satélite mostram sítios arqueológicos na Síria com centenas de escavações ilegais, que revelam que há saques em escala industrial”.

PUBLICIDADE

O grupo Estado Islâmico tem justificado a destruição de relíquias históricas com o propósito de eliminar representações e locais de culto nos territórios da Síria e do Iraque.

No início de setembro, no dia 4, o chefe de Antiguidades Sírias, Maamun Abdulkarim, denunciou que o grupo extremista Estado Islâmico explodiu pelo menos três das famosas torres funerárias de Palmira, no chamado Vale dos Túmulos, no deserto sírio.

A 23 de agosto, os ‘jihadistas’ destruíram com explosivos o templo de Baal Shamin em Palmira. Alguns dias antes, executaram o arqueólogo responsável pelo patrimônio da cidade, Khaled al-Assaad, de 82 anos.

O conflito sírio, iniciado em março de 2011 com protestos contra o regime de Bashar al-Assad, já matou mais de 240 mil pessoas, após disputas em várias frentes por diversos grupos armados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up