30 C
Rio Branco
6 maio, 2021 2:18 pm

Falecido nesta quinta, Lazinho Diniz foi fundador e era militante do PT no Acre

Ele foi um dos organizadores da “Casa do Bahia”, que abrigava militantes na fundação e organização do Partido

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Falecido esta tarde, em Rio Branco, aos 61 anos de idade. Lazinho Diniz, irmão mais velho do jornalista E ex-senador Aníbal, era um dos fundadores do PT (Partido dos Trabalhadores no Acre). Durante anos, ajudou na construção financeira do Partido vendendo balões e camisetas aos finais de semana, na praça principal de Rio branco, ao lado de militantes como Abrahim Farhat, o Lhé (falecido o ano passado), de José Gilberto, que suicidou-se em 19999, e do comerciante João Batista Badate, entre outros.

Era uma época de muito sacrifícios, inclusive financeiros, para todos. Mesmo assim, a partir de seu trabalho em empresas privadas, Lazinho Diniz conseguiu ajudar seus companheiros e foi responsável pela aquisição da “Casa da Bahia”, referência ao bairro com esse nome, localizada na rua Mende Sá, na periferia de Rio Branco, onde abrigava jovens petistas que não tinham onde morar.

Era ali na “Casa da Bahia” onde militantes como Tacio de Brito, Sílvio Margarido, Osmarino Amâncio, Aníbal Diniz, Naluh Gouveia, José Granjeiro e Matias, que moravam nas imediações, se reuniram para debates em torno de como o PT deveria funcionar no futuro e como deveria agir quando chegasse ao sonhado poder. Lazinho Diniz não era um teórico da política, tarefa que cabia a seu irmão Aníbal.
Lazinho era mais um tarefeiro, desses que em nome do que acreditava não enjeitava tarefas. Trabalhou na organização do PT e dos movimentos sociais e, no governo de Jorge Viana, foi um dos diretores do Deracre (Departamento de Estradas e Rodagens).

O ex-senador Aníbal Diniz se manifestou sobre a morte do irmão. “Sem palavras para me despedir do irmão Lazinho Diniz, com quem dividi alegrias em vitórias, lágrimas em derrotas, aprendizados incontáveis em tanto tempo de feliz, respeitosa e solidária convivência”, disse Aníbal. “Era o mais querido por sobrinhos, irmãos e amigos, e quando ele chegava a alegria se fazia presente. Quando meu pai, João Pedro, decidiu trocar o Paraná pelo Acre, foi ele o primeiro dos irmãos a aceitar o desafio de amassar lama com pés descalços na BR-364 até a colônia do km 60 de Sena Madureira, onde hoje, 43 anos depois, deu seu último suspiro!”, acrescentou.

De acordo com Aníbal, “falhou o coração que há tempos vinha dando sinais que precisava de reparos!”. “Diferente do que aconteceu comigo, que uma semana atrás tive toda assistência necessária para me livrar de um infarto iminente e ter a vida prolongada, o Lazinho não teve direito a uma outra chance”, acrescentou.

Lazinho Diniz durante campanha de Dilma/Foto: arquivo pessoal

Por isso, perguntou o irmão: “Como não render homenagens a uma pessoa tão brincalhona, tão espirituosa, tão carinhosa e tão atenciosa com todos?”. “Que o bom pai que está sempre de braços abertos para receber ao filho que à casa volta, dê ordem aos seus anjos para recebê-lo com roupas de festa! Sim, hoje vai haver festa no Céu, porque aonde o Lazinho estiver, com certeza não terá espaço para tristeza! Que Deus o acolha em seu Reino de Paz e de Glória, meu amado irmão Lazinho Diniz!”, disse Aníbal.,O militante está sendo velado na Capela São joção Batista, na Avenida Antônio da Rocha Viana e será sepultado nesta sexta-feira (29). O PT perde um de seus grandes militantes e a política, um homem honrado.