17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 9:34 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

‘Afagos’ entre Gladson e Rocha não colocam fim às hostilidades entre ambos, diz colunista

POR TIÃO MAIA, PARA CONTILNET

Datena se filia ao PSL e deve concorrer à Presidência

Militantes e filiados ao PSL, inclusive os locais, estão em festa país afora comemorando a filiação do apresentador e jornalista Luiz Datena, da Rede Bandeirantes de Televisão. Estão certos de que o apresentador pode vir a ser candidato à presidência da República e que pode ser também a terceira via capaz de se tornar alternativa na antipática polarização entre Lula e Bolsonaro, em 2022.

O futuro há de mostrar quem de fato tem café no bule.

Jornalista também seria forte candidato a governador

Ao passar pelo Acre, no início deste mês de junho, o vice-presidente nacional do PSL, advogado Antônio de Rueda, que vem assumindo interinamente a presidência do Partido com a licença do deputado Antônio Bivar (PSL-PE), o presidente nacional da sigla, confirmou ao colunista que Datena seria, na verdade, candidato a governador de São Paulo. Mas o nome do apresentador começa a ser especulado também como candidato a vice, numa composição com um candidato conservador e de centro, que pode vir a ser o próprio presidente Jair Bolsonaro, ou como uma alternativa à polarização da Direita com o esquerdismo petista de Lula.

Wendy Lima, o empecilho no PSL

No PSL local, a dúvida é quanto a formação de chapa para deputado estadual. Se tem uma chapa para federal praticamente formada, o PSL deve enfrentar dificuldades para formar a de estadual exatamente pela presença do deputado Wendy Lima no partido. Candidato à reeleição, o deputado pode ser o empecilho para que outros filiados façam parte da chapa porque ninguém quer servir de escada para ninguém e não se candidata em chapas que já enha parlamentar eleito.

Vai pedir para deputado sair, Valério?

O presidente do PSL regional, Pedro Valério, havia dito, anteriormente, que não queria ninguém com mandato no partido, tanto para federal ou para estadual, exatamente para não ter esse tipo de dificuldade na hora da montagem das chapas. Ou volta atrás no que disse ou vai ter que pedir gentilmente para que o deputado Wendy Lima dê o prazer de sua ausência à sigla.

Deputado tem mandato suspenso por dois meses

Ainda sobre o PSL: O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) ficará suspenso de suas atividades parlamentares por dois meses, conforme decisão do Conselho de Ética da Câmara tomada nesta terça-feira (29). Daniel Silveira, se o leitor não lembra, é aquele parlamentar bombadão que está preso com o uso de tornezeleira eletrônica por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, por ofensas aos ministro da Corte. O afastamento do mandato foi aprovado por 13 votos a favor e 3 contra. A punição aconteceu porque o deputado gravou e divulgou, em 2019, uma reunião sigilosa do PSL. No pedido inicial, o deputado Alexandre Leite (DEM-SP) pediu que o colega fosse suspenso por quatro meses.

Velhos comunistas continuam aliançados em Cruzeiro

Em Cruzeiro do Sul, não é segredo para ninguém que a antiga parceria do atual prefeito Zequinha Lima (filiado ao PP), com o deputado Evaldo Magalhães (PC do B) está mais firme do que nunca. Ambos militaram juntos no PC do B, numa aliança que incluía também o atual vice-prefeito de Cruzeiro do Sul, Henrique Afonso. Zequinha e Henrique deixaram o PC do B, o prefeito para o PP, e Henrique Afonso para o PSD, mas, na campanha passada, os velhos comunistas, como na música, se aliançaram e marcharam juntos. Além do PC do B, Zequinha Lima e Afonso têm ainda o apoio do PT na Prefeitura de Cruzeiro do Sul.

Relação reservada agora escancarou de vez

O que era tratado com certa reserva, uma vez que na Assembleia Legislativa tanto o PT como o PC do B são de oposição ao Governo de Gladson Canmeli, que é aliado e do mesmo partido de Zequinha Lima, agora foi escancarado de vez. Na sessão remota desta terça-feira (29), o próprio Magalhães fez questão de explicitar a simpatia pelo prefeito da maior cidade do Juruá.

Cruzeiro do Sul: exemplo na campanha de vacinação

Edvaldo Magalhães destacou o trabalho da Prefeitura de Cruzeiro do Sul, sob o comando do prefeito Zequinha Lima (PP), em relação à vacinação contra a covid-19. Ele pontuou que Cruzeiro do Sul pode ser usado como referência para outros municípios. Um ponto importante dentre as ações desenvolvidas pela gestão de Zequinha Lima está o acompanhamento das pessoas imunizadas contra covid-19 no tocante a tomarem a segunda dose da vacina, observou Edvaldo Magalhães. O deputado também mencionou que a equipe da prefeitura montou uma força-tarefa em busca das pessoas que tomaram a 1ª dose, mas estavam em débito com a 2ª. A Prefeitura decidiu ligar para as 500 pessoas, uma a uma, informando da necessidade de fechar o ciclo da imunização. A partir daí, foram montadas 11 equipes de saúde, que foram até aos moradores e conseguiram 90% de imunização do público alvo em 24 horas de ação.

Pelo menos no Juruá, PP, PT e PCdoB são uma coisa só

A verdade é, pelo menos no Juruá, PT, PCdoB e PP são cada vez mais uma coisa só. Antigos assessores que trabalharam na Prefeitura de Cruzeiro do Sul na época da Frente Popular do Acre, ainda que filiados ao PC do B e ao PT, atuam na administração do PP como se esta fosse a de seus partidos. Isso mostra que, se houver uma composição maior, no futuro, envolvendo os partidos de esquerda e o PP de Gladson Cameli, não seria surpresa. Basta lembrar que o próprio Gladson – assim como o senador Petecão – também já pertenceram a Frente Popular.
Bocalom acordou para a crise no transporte municipal

Depois de apanhar mais que cachorro em missa, o prefeito Tião Boclaom, parece ter dado a primeira bola dentro na sinuca em que se meteu ao ganhar a eleição para prefeito de Rio Branco. Trata-se do enfrentamento que ele e sua equipe da RBTrans, a autarquia municipal que cuida do transporte público na Capital, vem planejando para enfrentar a crise no setor. Consta que, na atualidade, o setor de transporte público através do serviço de ônibus está adstrito a pouco mais de 30 veículos, com várias linhas desativadas e até terminais fechados.
A crise é tamanha que moradores de locais mais distantes como Quixadá, Panorama, Baixa Verde ou da Transacreana, praticamente já não dispõem de serviços de ônibus e o prefeito parece que, enfim, acordou para isso.

Rio Branco pode vir a ter ônibus elétricos

Em reuniões com vereadores, o diretor-presidente da RBTrans, Anísio Alcântara, revelou que, por determinação do prefeito Tião Bocalom, a autarquia vai começar um planejamento para aquisição de ônibus e vans para colocar à disposição do município. Está sendo pensada até mesmo a criação de uma empresa estatal de transporte urbano, que passaria a ser dona dos ônibus e vans a serem adquiridas. Outra providência importante é que alguns desses veículos seriam elétricos, para diminuir poluição do ar da cidade e buscar meios de reduzir o valor das tarifas, revelou à coluna o diretor da RBTrans, Anísio Alcântara.

Taxi-lotação e ônibus têm tarifa quase no mesmo valor

Além da crise, pela simples falta de ônibus ou pelo péssimo estado de conservação da frota que teima em continuar rodando na cidade, já passa da hora de a Prefeitura e sua autarquia de transporte reverem esta questão da tarifa. Enquanto a passagem de ônibus, que pode levar até uma centena de passageiros, custa R$ 4,00, um taxi do tipo lotação, que pega só quatro passageiros, faz o mesmo trajeto de uma viagem por R$ 5,00 cada passageiro. Isso mostra que alguma coisa está errada, até porque, por levar mais passageiros e rodar movido a óleo diesel, o serviço de ônibus está custando praticamente o mesmo valor do serviço de táxi-lotação.

É preciso ter lado na política

Não são nada boas as relações entre os deputados Chico Viga e Neném Almeida, ambos filiados ao mesmo partido, o Podemos. Nas suas últimas sessões remotas da Assembleia Legislativa, os dois têm se alfinetando. Viga, que se diz aliado e da base do governo Gladson Cameli, não gosta de ver e ouvir Neném Almeida falando em independência. Uma coisa, neste caso, pesa a favor de Viga: ele pode até ser governo, em todos os governos, mas nunca é dúbio no comportamento; se é governista o é e pronto.
E assim deve ser a política. É mais digno de respeito aquele que tem lado do que o que não se mostra ou só se mostrando lhe é conveniente.

Socorro Neri é vítima de fake news

A secretária de Educação, Socorro Neri, frustrou os adversários do governo que vinham fazendo um carnaval dizendo que ela está chateada com o governador e que estava disposta a deixar cargo, para o qual foi nomeado faz menos de um mês. Ao colunista, ela declarou: tudo fake News.
Coisa de quem acha que pode, através da mentira e da notícia falsa, causar intriga.

Gladson não deglutiu ataques de Rocha

O fato de o governador Gladson Cameli ter cumprimentado e até abraçado ao vice-governador Major Rocha na solenidade de entrega de máquinas no pátio do estádio Arena Acreana, na segunda-feira (28), não significa que ambos voltaram às boas. Embora não seja um homem de guardar mágoas, Gladson Cameli ainda não digeriu os ataques que sofreu, por parte de Rocha, à sua honra. Quando acusa o governo de corrupto, o vice-governador esfaqueia pelas costas o governador, que tinha em seu vice um homem de confiança e um amigo.

Horror à disputa por cargo eletivo

O engenheiro Ítalo Medeiros, que deixou o cargo de secretário de Estado de Infrestrutura para ajudar ao secretário Alyson Bestene numa secretária institucional, mais próximo do governador Gladson Cameli, anda respirando aliviado. É que ele temia ser convocado pelo govenador a ser candidato a um cargo eletivo, estadual ou federal. “Tenho horror a ideia de ser candidato”, revelou ao colunista.
Engenheiro deve ter lá os seus motivos

Ítalo Medeiros deve ter lá seus motivos. Filho de políticos, do saudoso deputado federal e prefeito João Tota, e da ex-deputada Maria das Vitórias, atual primeira suplente de senadora (do senador Sérgio Petecão), ele acompanha a política desde criança, dentro de sua casa. O engenheiro diz que respeita quem gosta, mas ele prefere atuar nos bastidores ou de forma técnica.

Tanto é que nem filiação partidária ele tem.

Deputada pode ficar em casa, cuidando de netos

Questão de estilo. Enquanto há quem tenha horror à possibilidade de se ser obrigado a ser candidato, há quem não pense em outra coisa, como é o caso do médico Israel Milani, atual secretário de Meio Ambiente. Filho da deputada federal Vanda Milani, ele quer simplesmente tomar o lugar da mãe. Para isso, precisa convencê-la, como parece ter convencido, a ser candidata ao Senado. Com isso, mesmo que a deputada não consiga viabilizar sua candidatura ao Senado, mesmo assim, o candidato a deputado federal da família em 2022 deve ser ele.

E a deputada seria convocada a curtir a aposentadoria de procuradora de Justiça e ficar em casa, cuidando dos netos.

Márcio Bittar e as emendas de relator

Senador Márcio Bittar (MDB-AC) deu uma puxada no freio de mão das atividades parlamentares, em Brasília. Está em Campo Grande (MS) tratando de problemas de saúde em sua família, apoiando uma de suas irmãs cujo marido não está bem. Mas, assim que retornar as atividades com o mesmo vigor, o senador deve começar a trabalhar a liberação das emendas e RP-9, as chamadas emendas de relator, com as quais quer injetar recursos para que o governador Gladson Cameli comece a fazer acontecer as obras que prometeu para o período pós-pandemia.

Voto de vetos na Aleac

Na sessão remota da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (30), a Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) votará os vetos governamental a alguns projetos aprovados no Casa. Um deles é o que trata da contratação de médicos formados no exterior de forma excepcional enquanto durar a pandemia, de autoria do deputado Edvaldo Mgalhães (PCdoB), que é esperado com muita expectativa por várias famílias. A Aleac deve confirmar ou não o texto aprovado por unanimidade em maio deste ano.

É o Covaxfim?

Perguntinha marota do colunista: para o governo Bolsonaro a vacina indiana será mesmo o Covaxfim?

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.