20 de abril de 2024

Saúde reforça medidas de segurança para prevenir transmissão de doenças durante período de cheia dos rios

Entre os principais perigos estão as infecções, como a leptospirose e a dengue

Grandes cheias trazem consigo uma série de riscos graves à saúde. Diante da atual situação de emergência em que vivem as famílias de 17 municípios acreanos, a Saúde do Acre reforça as medidas de segurança que são capazes de prevenir a transmissão de doenças e demais riscos que podem afetar a saúde das pessoas atingidas.

Cheia do Rio Tarauacá atinge 80% da população de Jordão, cidade isolada do Acre. Foto: Kézio Jordão

Entre os principais perigos estão as infecções, como a leptospirose e a dengue, além do risco de acidentes com animais peçonhentos, como escorpiões, aranhas e cobras.

“Nós sabemos que passar por uma cheia é um dos piores momentos das vidas das pessoas e entendemos o quanto é difícil não ter contato com a água, com a lama… mas pedimos que a população adote todas as medidas possíveis para minimizar as chances de contaminação por doenças como a leptospirose, tétano, hepatite A, doenças diarreicas agudas, entre outras”, alerta Edvan Meneses, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde da Sesacre.

Confira abaixo um passo a passo de como agir em situações de emergência. As orientações são do Ministério da Saúde (MS).

Cuidados com a água e com a lama

Em uma enchente, algumas doenças podem se propagar facilmente em decorrência da contaminação da água e dos alimentos, como diarreia, cólera, febre tifoide, hepatite A, giardíase, amebíase, verminoses e leptospirose.

Logo, é importante não consumir alimentos que tenham tido contato com a água da inundação ou lama, incluindo alimentos embalados, enlatados ou alimentos perecíveis (como frutas, legumes e verduras).

Se possível, filtre e ferva a água antes de beber; apenas consuma água indicada pelas autoridades e não use água sanitária em água ou alimentos para consumo humano ou animal.

Cuidados com os alimentos

Durante e após uma situação de emergência é possível que os alimentos não estejam em condições adequadas para serem consumidos. Nesse momento, é importante observar e tomar alguns cuidados para garantir a qualidade dos alimentos.

O cuidado na higienização, preparação e armazenamento dos alimentos é um procedimento de extrema importância, pois alimentos manipulados e armazenados de forma inadequada podem transmitir doenças.

Cuidados com a leptospirose

A leptospirose é uma doença causada por uma bactéria presente na urina de roedores (rato, ratazana, camundongo), e que normalmente se espalha pela água suja de enchente, lama e esgoto.

Se apresentar os sintomas (febre, dor de cabeça, dores musculares, vômito, diarreia e tosse) procure uma unidade básica de saúde (UBS) ou unidade de referência em atenção primária (Urap). Caso sinta sintomas graves, vá até a unidade de pronto atendimento mais próxima.

Cuidados com riscos de tétano

O tétano é uma doença grave causada por uma bactéria que pode estar presente em objetos de metal (mesmo que não esteja enferrujado), de madeira, de vidro ou até no solo (galhos; espinhos; pedaços de móveis).

A pessoa pode adoecer ao sofrer lesões (ferimentos, cortes, perfurações) por objetos contaminados pela bactéria. Em situações de emergência, o contato com entulhos e destroços pode ocasionar essas lesões e, consequentemente, o adoecimento por tétano acidental.

Cuidados com animais peçonhentos

Locais com enchentes e ambientes com entulhos e destroços aumentam o risco de acidentes com animais peçonhentos (como escorpiões, aranhas e cobras). Em situações como essas, os animais costumam se abrigar em locais secos, como o interior das residências ou em locais de acúmulo de entulhos.

Caso encontre algum desses animais, entre em contato com o Corpo de Bombeiros, por meio do telefone 193 e não toque nesses animais, mesmo que pareçam estar mortos.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost