Ministério Público investiga possível furto de energia no Palácio Rio Branco em evento pró-Lula


Decisão foi publicada no Diário Oficial em dezembro de 2017, após ofício encaminhado pelo MPF; despacho de promotor cita ‘furto qualificado’

Foto capa ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET

Aumento

A prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), anunciou ontem (8) que vai sancionar o aumento da passagem de ônibus na Capital. Nada que nos surpreenda, certo? O bilhete vai passar de R$ 3,50 para R$ 4 – um aumento de 50 centavos no bolso do trabalhador.

Peso no bolso

O trabalhador rio-branquense que pega dois coletivos por dia, de segunda a sábado, para ir e vir do trabalho vai gastar, ao final do mês, R$ 208. Um peso imenso para quem recebe salário mínimo.

Reajuste companheiro

Mais grave que isso só mesmo a comparação entre o percentual do aumento do bilhete com a inflação nos últimos 17 meses, tendo como base o IPCA (Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo).

Bem acima da inflação

O percentual de aumento da passagem de ônibus foi de 14,29%. Já a inflação entre janeiro de 2017 e maio deste ano ficou em 5,09%. Ou seja, o reajuste concedido aos empresários do setor de transporte coletivo está 9,2% acima da inflação. É ou não é muita camaradagem?

Aposta

Este colunista não teve a paciência de fazer os cálculos relativos aos aumentos da passagem de ônibus nos períodos anteriores, comparando-os com os índices inflacionários correspondentes. Mas ainda assim é capaz de apostar como os reajustes sempre estiveram acima da inflação.

Inventores de moda

A cada eleição, o PT inventa alguma novidade na tentativa de cabalar votos entre o eleitorado acreano. Há 20 anos pendurados no governo do estado, a tática dos companheiros segue a mesma.

Coisa de gênio

Os cérebros por trás da pré-candidatura do ex-prefeito petista Marcus Alexandre criaram, desta vez, as tais Oficinas Regionais de Construção do Plano de Governo. Em Rio Branco, a oficina será realizada na próxima segunda-feira (11).

Detalhe crucial

Tive acesso ao convite, e não me passou despercebido um detalhe importante. Veja o leitor por si mesmo, antes da conclusão desta coluna.

O que 

Faltou, não é mesmo?

Sim, leitor, conforme pode ser visto na imagem acima reproduzida, eles vão debater vários temas de interesse de todos nós, menos a… Segurança Pública!

De caso pensado

Sim, subentende-se que o tema está incluído no tópico “entre outros”, mas como essa turma não está lidando com descerebrados – ainda que muitos dos seus eleitores o sejam –, a conclusão é uma só: tendo como pré-candidato a vice na chapa ao governo o ex-secretário Emylson Farias, e sendo a questão prioritária nesses tempos de império das facções criminosas, não foi por acaso que a Segurança Pública deixou de constar no convite.

Calcanhar de Aquiles

A violência é o ponto fraco de um governo que investe duas vezes mais em mídia que na Polícia Militar. E haverá de ser, também, o flanco aberto do postulante à continuidade de um governo que nos últimos anos se deixou estagnar no que diz respeito à resolução dos problemas do povo.

Recomendação da coluna

A propósito, terei o cuidado de ler o plano de governo do petista Marcus Alexandre. Sobretudo no que diz respeito ao setor citado acima. Antevejo que o documento haverá de conter muitas soluções para o drama da segurança pública. E desde já recomendo que o companheiro trate de enviá-las ao governador Tião Viana, a fim de que não tenhamos que esperar até janeiro para que as medidas sejam implantadas – isso na hipótese de o Sr. Marcus Alexandre vir a ser eleito em outubro.

Inquérito civil

A coluna teve acesso a uma publicação, de dezembro do ano passado, feita a mando do Ministério Público do Estado, na qual o promotor de justiça Marco Aurélio Ribeiro, da 2ª Promotoria Especializada de Defesa do Patrimônio Público e Fiscalização das Fundações e Entidade de Interesse Social, manda instaurar inquérito civil para apurar um caso inusitado.

‘Gato’

Segundo o despacho de Marco Ribeiro, em ofício encaminhado pelo Ministério Público Federal, foi reportada uma denúncia de possível desvio de energia elétrica, em pleno Palácio Rio Branco, durante um evento realizado pelo governo do estado em favor do ex-presidente Lula.

Excerto

Trecho da mencionada portaria (Nº 0010/2017/2ªPPATRIM) diz ter chegado ao “conhecimento deste Parquet, mediante ofício (…), o qual noticia a realização de uma ligação clandestina de energia elétrica nas instalações do Palácio do Governo do Estado do Acre, durante uma manifestação de apoio ao ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva, ocorrida no dia 04/03/2016”.

Que se apurem os fatos!

Em seguida, o promotor afirma “que o fato atribui a suposta prática de crime de furto qualificado (art. 155, §3ºº, do CP) perpetrado por agente público em desfavor de concessionário de serviço público”, e determina a instauração do inquérito civil para apurar os fatos.

Uma ajudinha…

A coluna, bem como todos os seus leitores e também os não-leitores, gostaria de saber em que fase está a apuração da suposta ilicitude cometida na sede maior do Poder Executivo do estado. O próprio MPAC bem que poderia nos auxiliar com essa questão, não é verdade?

Parada obrigatória

O governador Tião Viana aproveitou sua ida a Brasília para dar uma esticadinha até a cidade de Contagem, em Minas Gerais, para participar do lançamento da pré-candidatura de Luiz Inácio à Presidência da República – conforme publicou ontem à noite este portal de notícias.

Porta-voz

Em publicação na rede social Facebook, o porta-voz do governo, jornalista Leonildo Rosas, publicou o seguinte na última quinta (7): “A partir do meio-dia, o desembargador Francisco Djalma assume o governo do Estado. Será a segunda vez que isso acontecerá. O governador Tião Viana participa de solenidade em frente à PM. Pré-candidatos ao Senado e à suplente de senadora, respectivamente, o presidente da Aleac, Ney Amorim, e a vice-governadora Nazaré Araújo foram informados previamente, para não confrontar o que reza a Constituição”.

Afronta

Bem, conforme pôde constatar o leitor, nenhuma palavra sobre a ida de Tião a Contagem, onde ele participou do evento que este colunista considera um verdadeiro acinte à legislação e ao Judiciário brasileiro.

Dúvida comezinha

Resta saber se a fatura da passagem do governador petista por Minas Gerais também será pendurada na conta do contribuinte.

comentários

Outras Notícias