Pelo segundo dia consecutivo, deputados deixam de votar prestações de conta de Tião Viana


Matérias como a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA) só devem ser apreciadas após o término dos trabalhos das equipes de transição governamental

SAIMO MARTINS, DO CONTILNET

Na manhã desta quarta-feira (7), os deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) não chegaram a uma acordo e, pelo segundo dia consecutivo, adiaram a votação de projetos importantes, como por exemplo, as prestações de contas do governador Tião Viana (PT), dos anos de 2013 e 2014.

De acordo com informações dos bastidores da Aleac, os aliados da base querem colocar em votação as contas de 2013 e 2014, porém não há um consenso entre os parlamentares para votação. O deputado Gerlen Diniz (PP), afirma que só votará esses projetos quando estiver detalhado todas as informações acerca das contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Acre (TCE), tendo em vista que os projetos vieram sem os anexos. O progressista diz que “é preciso entender o que se está votando”.

Deputados adiaram a votação de projetos./Foto: Reprodução.

É importante ressaltar que, se por acaso, as contas públicas de Tião Viana não forem aprovadas por pelo menos 12 deputados, o atual governador petista ficará inelegível por oito anos.
Outro fator importante que está travando a votação é com relação aos projetos que podem prejudicar o novo governador eleito Gladson Cameli (PP). O deputado Nicolau Júnior destaca que, se houver um entendimento entre parlamentares, a votação pode ocorrer na próxima semana. Porém, matérias como a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual, só devem ser apreciadas após o término dos trabalhos das equipes de transição governamental.
Já outra pauta que está travando a as votações é referente a um projeto que concede descontos de 90% nos valores de multas por infrações e de acréscimos moratórios relacionados a débitos tributários de ICMS, encaminhado na semana passada pelo Poder Executivo.

comentários

Outras Notícias

Veja Também