Rio Branco, Acre,


Além de valor menor, prorrogação do auxílio emergencial poderá ter público reduzido

Segundo uma fonte da equipe econômica, essa possibilidade de alteração está em discussão, já que o público que tem acesso ao benefício é amplo

O governo trabalha para solucionar a equação da extensão do auxílio emergencial, atualmente em R$ 600, para pelo menos até dezembro. Nos estudos que estão sendo feitos pela equipe do ministro Paulo Guedes há pelo menos mais uma variável que está sendo levada em consideração: a redução do público beneficiado pela medida.

Segundo uma fonte da equipe econômica, essa possibilidade de alteração está em discussão, já que o público que tem acesso ao benefício é amplo. Até o momento, mais de 66 milhões de brasileiros receberam o benefício. O volume gasto com o auxílio já passa de R$ 160 bilhões.

PUBLICIDADE

O benefício criado em abril deste ano, por conta da pandemia do coronavírus, atualmente é destinado a trabalhadores informais de qualquer tipo, inclusive intermitentes inativos, desempregados, MEIs (microempreendedores individuais) e contribuintes individuais da Previdência.

Fontes que confirmam a possibilidade de redução do público salientam que a mudança não está decidida.

Contas na mesa

Além dos destinatários da medida, o governo trabalha nos cálculos e negociações em torno do valor das próximas parcelas. Segundo um auxiliar de Guedes é “pouco provável” que a definição aconteça ainda nesta semana. Na primeira extensão que o governo fez, a medida foi anunciada às vésperas de seu vencimento.

O governo reconhece que o debate precisa ser feito em linha com o Congresso e queria acelerar o processo para poder ter mais tempo de discutir com os parlamentares a renovação do benefício.

Se o valor do benefício ficar abaixo dos atuais R$ 600, o governo terá que enviar uma nova medida ao Congresso. No momento, há em estudo a possibilidade de uma MP (Medida Provisória) para redução das parcelas.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias

Scroll Up