32 C
Rio Branco
16 abril, 2021 2:48 pm

Bocalândia, a mini-cidade de Bocalom, deve beneficiar mil famílias

POR RORAIMA ROCHA, DO CONTILNET

DE FATO E DE DIREITO

Como anunciado pela coluna anteriormente, o nome do ex-deputado Helder Paiva foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira, 5, para assumir a função de assessor de Assuntos Legislativos do gabinete do prefeito Tião Bocalom (Progressistas). Paiva é servidor da Prefeitura e conhecido pela forma diplomática como se relaciona na política. Tem tudo para diminuir a quantidade de cipoada que o velho Boca e sua equipe vêm levando do legislativo.

SEGUIRÁ SEM LÍDER

A nomeação do ex-deputado será para articular as relações do executivo municipal com a Câmara de Vereadores, uma vez que Bocalom não tem um líder na Casa, apesar de seu partido contar com três parlamentares. Depois de ser muito criticado, o prefeito decidiu remediar com a nomeação de Paiva, que ocupará o cargo que na gestão de Socorro Neri (PSB) era exercido por Thiago Higino.

BOCALÂNDIA

Como já disse aqui na coluna, se Bocalom conseguir fazer sua mini Bocalândia, o projeto que prevê a construção de mil unidades habitacionais para a população de baixa renda vítima da alagação, será um grande acerto da sua gestão. A previsão é ainda mais audaciosa, entregar as casas até o fim de 2022. O projeto conta com o apoio do senador Márcio Bittar (MDB) e as residências devem ter parcelas para as famílias entre R$ 80 e R$ 100 reais mensais.

ARREPENDIDO É POUCO

Não queria estar na pele do governador Gladson Cameli. Quem diria que seu maior opositor seria a pessoa que deveria ser o seu braço-direito? É de domínio público que o vice Wherles, jamais chegaria à cadeira que ocupa sem o peso político de Cameli, que levou a eleição de 2018 nas costas. Mas agora, “Inês é morta”, terá que conviver com o fardo até as próximas eleições. Não tenho dúvida que, se vier a ser candidato à reeleição, pensará com o mesmo carinho que escolheu a esposa, quem estampará seus santinhos na posição de vice.

CANDIDATO A ESTADUAL

Os vídeos batendo em Gladson e no governo que ele mesmo faz parte, as diversas andanças com a irmã Mara pelo estado e a entrevista dada ao jornalista Itaan Arruda, levam a crer que Wherles deva ser candidato a deputado estadual. Sem dúvida seria regredir, mas seria o caminho menos arriscado para se manter com mandato.

PRA DOER NO BOLSO

O deputado Luís Gonzaga (PSDB) apresentou um projeto de lei para fazer quem brinca com a pandemia, sentir no bolso a dor. Com hospitais lotados, falta de leitos, número de infecções ainda em alta, inúmeras vidas sendo perdidas para a Covid-19 diariamente, o PL de Gonzaga vem em boa hora. A ideia é apertar o cerco com medidas ainda mais duras. Multa que poderá chegar a R$ 744, responsabilização civil, penal e administrativa são algumas das penas e, para servidores públicos, um processo administrativo que poderá culminar com a demissão. Mais que justo!

SEM ZONA AZUL

A Prefeitura de Rio Branco não se antecipou para realização de uma licitação para o serviço de estacionamento rotativo na cidade, a “Zona Azul”, e agora a capital deverá ficar sem o serviço por pelo menos três meses. Durante o período não haverá cobrança de parqueamento portanto, nem multas. A bem da verdade, o cidadão hoje paga duas vezes, para Zona Azul, e para os “flanelinhas”, que seguem dominando os principais pontos de estacionamento de Rio Branco.

RELIGIOSOS DIVIDIDOS

A decisão do ministro do STF, Kassio Nunes Marques, indicado para o tribunal por Jair Bolsonaro, que liberou os cultos presenciais, agora será analisada pelo plenário e a tendência é que o veto às realizações vença. No Acre a decisão dividiu religiosos, de um lado os padres que são contra a volta das celebrações, e do outro os pastores, que são favoráveis.

ALTO RISCO DE CONTAMINAÇÃO

Vale lembrar que por serem realizados em locais fechados e causarem aglomerações, as celebrações em templos e igrejas são consideradas no mundo todo eventos de alto risco de transmissão do coronavírus.

FIM DE UMA ERA

A saída da deputada federal Mara Rocha do PSDB é o fim de uma era, mas se despede em grande estilo: atirando. Primeiro foi o irmão, que tomou conta do PSL com o olho no gordo fundo partidário nas eleições de 2020, agora é a irmã que busca um novo lar. A política no Acre corre a passos largos mesmo. Quem será que vai pousar no ninho tucano nas próximas semanas?