22.3 C
Rio Branco
27 julho, 2021 3:26 am

Deputado Jesus Sérgio anuncia voto contrário à privatização dos Correios

“O processo de privatização dos Correios deverá causar significativos danos à população e à economia dos municípios mais distantes do centro-sul do país", disse

POR ASCOM

Com a privatização dos Correios na pauta do plenário da Câmara dos Deputados, o deputado federal Jesus Sérgio (PDT), anunciou esta semana o seu voto contrário à privatização da estatal. Autor do Projeto de Lei 5455/2020, que visa impedir a privatização dos Correios, Jesus Sérgio assumiu o compromisso com os funcionários da empresa de telégrafos de lutar pelo fortalecimento da estatal.

“O processo de privatização dos Correios deverá causar significativos danos à população e à economia dos municípios mais distantes do centro-sul do país, com prováveis fechamentos de agências e demissões de trabalhadores”, destacou o parlamentar.

A Empresa Brasileira de Correios foi criada no dia 20 de março de 1969 e quase metade das receitas atuais da empresa provém de encomendas expressas. A companhia postal detém 44% do mercado brasileiro, que já é aberto à concorrência nesse segmento, e a pandemia de covid-19 gerou uma explosão do e-commerce. A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm) projetou um crescimento em torno de 30% para o ano de 2020, e este crescimento deve permanecer em 2021.

Jesus Sérgio afirmou que a privatização dos Correios pode ter um impacto negativo para o Acre. “Em centenas de cidades brasileiras e alguns municípios do Acre, a empresa de Correios serve de meio de transporte de mercadorias, medicamentos, e é a única agência bancária onde o comércio local e aposentados movimentam a economia da cidade, por meio do banco postal. A empresa privada só vai onde tiver lucro, não tem preocupação com o social e a privatização dos Correios vai causar prejuízos para a população que vive nesses municípios. Essa razão já é suficiente para lutarmos para manter os Correios como empresa pública”, ressaltou o deputado.

 

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.