24.3 C
Rio Branco
28 setembro 2021 2:41 am

Covid-19: número de mortes de idosos vacinados com as duas doses no Rio dobra em um mês e meio

Desde meados de junho, o número de mortes entre idosos com as duas doses da vacina não para de subir no Rio de Janeiro

POR EXTRA, GLOBO

Última atualização em 24/08/2021 09:34

Desde meados de junho, o número de mortes entre idosos com as duas doses da vacina não para de subir no Rio de Janeiro, segundo apontam dados da Secretaria estadual de Saúde (SES).

Na semana epidemiológica 24, de 13 a 19 de junho, foram contabilizadas 42 mortes nesse grupo. Um mês e meio depois, na semana epidemiológica 30, de 25 a 31 de julho, foram 83 mortes, uma alta de 97% em relação ao número anterior.

Num contexto em que a gradativa queda na proteção conferida pelas vacinas contra a Covid-19 nos mais velhos se torna uma preocupação imediata, os números oficiais pintam, aos poucos, um cenário cada vez mais alarmante. No Estado do Rio, a proporção de idosos vacinados com as duas doses do imunizante entre todos os idosos mortos pela Covid-19 mais que quadruplicou em um mês e meio.

Em meados de junho, na semana epidemiológica 24, os imunizados com a injeção de reforço da vacina representaram 7% dos idosos mortos pela doença no estado. Na semana epidemiológica 30, fim de julho, o grupo correspondeu a 30% dos óbitos entre fluminenses com 60 anos ou mais, segundo dados extraídos do sistema de Informações em Saúde da SES, alimentado pelas notificações do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe).

 

Foto: Editoria de arte

O aumento de mortes entre idosos vacinados não se reflete com a mesma intensidade no número de óbitos entre idosos em geral. Mas esse indicador também aumentou, embora esteja distante dos picos de mortes registrados este ano. Depois de um histórico de queda que se mantinha desde a primeira semana de maio, quando foram registradas 1.326 mortes, ele voltou a subir na última semana de julho, que teve 281 ocorrências.

A nova escalada da pandemia confirma previsões de cientistas da Fiocruz, que projetaram, no início do mês, um aumento drástico de hospitalizações e mortes por Covid-19 no Rio de Janeiro, sobretudo entre idosos. O pesquisador Leonardo Bastos, um dos realizadores das análises, atribui a nova situação epidemiológica aos elevados níveis de transmissão da doença no estado, que se mantiveram estáveis nos últimos meses.

O cenário se torna particularmente perigoso diante da chegada de uma cepa mais contagiosa, como a Delta. Ainda na avaliação de Bastos, os números reforçam a necessidade da terceira dose da vacina em idosos, mas a imunização não é a única chave para a prevenção de uma tragédia.

— Os dados podem se dever a uma conjunção de fatores, entre eles a imunossenescência (perda de imunidade decorrente do envelhecimento) dos mais idosos e a própria variante Delta. O vírus continua encontrando os mais velhos, em quem a vacina, por outro lado, pode não ser mais tão efetiva quanto antes — diz o especialista, que continua:

— O Rio é amplamente conectado ao resto do país, então o alerta é para todo o Brasil. Se nada for feito, o que se vê agora no Rio vai acontecer em outros lugares, penalizando sobretudo os mais idosos, que são mais vulneráveis e sentem os efeitos da pandemia antes das demais faixas etárias.

Enquanto isso, pela primeira vez desde o fim de abril, pessoas com 60 anos ou mais voltaram a representar mais da metade dos internados por Covid-19 na capital. Naquele mês, por efeito da vacinação, o número de hospitalizações nessa faixa etária iniciou uma tendência de queda, tendo chegado, no fim de junho, à menor proporção do total de internados em toda a pandemia (31%).

Isso acabou em meados de julho, quando os idosos passaram a representar metade de todas as internações no município. O movimento se consolidou nas semanas seguintes, de modo que, no início de agosto, pessoas com 60 anos ou mais chegaram a corresponder a 63% das hospitalizações, a maior proporção desde o fim de janeiro.

O dado, retirado do sistema de Informações em Saúde da Secretaria municipal de Saúde (SMS), pode ter sido influenciado pelo aumento da cobertura vacinal das faixas etárias mais jovens. Fato é que o grupo das pessoas com 60 anos ou mais segue agora uma tendência contrária à da população em geral: enquanto o número de internações no município em todas as faixas etárias caiu 16% entre as semanas epidemiológicas 24 (meados de junho) e 31 (início de agosto), a quantidade de hospitalizações de idosos aumentou 42%. No município do Rio de Janeiro, todas as pessoas com 60 anos ou mais já tiveram oportunidade de tomar as duas doses da vacina a esta altura.

Aposta na vacina

Diante do novo cenário, a cidade do Rio, que enfrenta o maior pico de casos confirmados de Covid-19 de 2021, parece apostar todas as fichas na vacina. Apesar da incerteza do envio de doses por parte do Ministério da Saúde, começa no mês que vem a aplicação da terceira dose da vacina em idosos, naturalmente mais vulneráveis e mais suscetíveis à perda de proteção imunológica, conforme anunciou o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, nesta segunda-feira.

Por outro lado, os gestores resistem a tomar uma atitude que, segundo especialistas, pode ajudar a salvar vidas: o controle do contágio por meio de restrições. Em debate realizado pela Fecomércio-RJ nesta segunda-feira, na presença do governador Cláudio Castro, o prefeito Eduardo Paes voltou a dizer que pode endurecer as restrições atuais caso a situação epidemiológica da cidade tenha mudanças drásticas, mas que não vê espaço, por enquanto, para medidas “excessivamente restritivas”, e que as ações dos gestores “precisam ser terapêuticas” neste momento.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.