24.3 C
Rio Branco
10 agosto 2022 12:55 pm

O que se sabe sobre caso de estupro por médico durante parto no RJ

POR Correio Braziliense

Última atualização em 12/07/2022 19:42

Um médico anestesista foi preso na madrugada de segunda-feira (11/7) após ser acusado de estuprar uma paciente enquanto ela estava dopada e passava por um parto no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, no Rio de Janeiro.

Segundo a Polícia Civil, a prisão foi feita em flagrante pela Delegacia de Atendimento à Mulher da cidade porque o crime foi registrado em vídeo.

Os agentes foram acionados depois que funcionários da unidade de saúde desconfiaram da postura do anestesista e o filmaram durante uma cesariana.

O médico foi identificado pelas autoridades como Giovanni Quintella Bezerra.

Segundo o portal de notícias G1, que teve acesso ao vídeo do momento do crime, ele teria passado seu pênis no rosto e na boca da paciente enquanto ela estava sob anestesia.

A polícia afirmou que Bezerra foi indiciado por estupro de vulnerável. A pena é de 8 a 15 anos de reclusão.

A BBC News Brasil tentou contato com a defesa do médico, mas não obteve resposta até a publicação da reportagem.

Em nota ao G1, o representante legal de Bezerra na ocasião disseram que se manifestariam após ter acesso a depoimentos e provas relacionados ao caso.

Posteriormente, o advogado informou à BBC News Brasil que se retirou do caso, e a reportagem ainda não conseguiu localizar os novos representantes de Bezerra.

O que aconteceu?

Segundo a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, Bezerra é acusado de ter estuprado a vítima enquanto ela dava à luz.

No vídeo divulgado pelo G1, a paciente está deitada na maca, inconsciente. Um lençol, sempre usado em cesarianas, separa seu tronco de suas pernas.

Nas imagens é possível ver, do lado esquerdo do lençol, a equipe cirúrgica do hospital fazendo a cesárea.

Enquanto isso, do lado direito do lençol, a menos de um metro de distância dos colegas, um homem que o vídeo identifica como o anestesista se posiciona perto do rosto da paciente.

Segundo o portal, ele teria aberto o zíper da calça, puxado o pênis para fora e introduzido na boca da mulher.

Ainda de acordo com o portal, a violência teria durado dez minutos. Ao final, ele teria pegado um lenço de papel e limpado a vítima para esconder os vestígios do crime.

Como foi feita a filmagem?

O vídeo foi gravado e entregue à polícia por enfermeiros da unidade.

Os funcionários esconderam o celular na sala de cirurgia depois de desconfiarem da quantidade de sedativo usado pelo anestesista em outras ocasiões e da movimentação dele próximo a pacientes durante os procedimentos.

Segundo o G1, os funcionários do hospital trocaram a sala de parto para conseguir filmar o flagrante. No domingo (10/7), o médico já tinha participado de outras duas cirurgias em salas onde a gravação escondida seria inviável.

Como ocorreu a prisão?

Segundo a Polícia Civil, a equipe que realizou a prisão foi acionada para verificar a informação de que o anestesista havia sedado uma paciente em cirurgia de cesariana e abusado dela.

“Imediatamente, os policiais foram à unidade hospitalar e apuraram que, desconfiadas da postura do médico, as enfermeiras resolveram colocar um aparelho de telefone celular para registrar o que o ele fazia durante as cirurgias”, diz a nota divulgada pela corporação.

Em um vídeo do momento da prisão divulgado pelo G1, o médico demonstra surpresa ao receber voz de prisão da delegada Bárbara Lomba e ao tomar conhecimento de que tinha sido gravado abusando da paciente.

Frascos do sedativo utilizado foram apreendidos, e funcionários do hospital prestaram depoimento na delegacia.

As investigações apuram se o médico teve outras condutas criminosas.

Quem é o médico?

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Giovanni Quintella Bezerra é médico anestesista e prestava serviço há seis meses como pessoa jurídica para o Hospital da Mulher Heloneida Studart e outros dois hospitais da região – o Hospital Estadual da Mãe de Mesquita e o Hospital Getúlio Vargas.

“O médico não é servidor do Estado”, afirmou a Secretaria em nota. Ele tem título de especialista em anestesiologia e registro profissional regular.

A direção do Hospital da Mulher abriu uma sindicância interna para tomar as medidas administrativas e notificou o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj).

Em nota, a Cremerj confirmou que recebeu as denúncias e abriu imediatamente um procedimento cautelar para suspensão imediata do médico, devido à gravidade do caso.

“Também está sendo instaurado processo ético-profissional, cuja sanção máxima é a cassação do exercício profissional do médico”, disse o órgão.

Procurado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) informou que caberá ao Cremerj a tomada de providências sobre o caso, conforme o previsto na legislação brasileira.

Em nota enviada ao G1, a defesa do médico afirmou que ainda não obteve acesso na íntegra aos depoimentos e elementos de provas que foram produzidos durante a lavratura do auto de prisão em flagrante.

“A defesa informa também que, após ter acesso a sua integralidade, se manisfestará sobre a acusação realizada em desfavor do anestesista Giovanni Quintella.”

O advogado informou posteriormente, na segunda-feira, à BBC News Brasil que não representa mais Bezerra no caso.

A reportagem ainda não conseguiu localizar os novos representantes legais do médico.

É PERMITIDA SUA REPRODUÇÃO PARCIAL COM O SITE CONTILNETNOTICIAS.COM.BR SENDO LINKADO E CITADO.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.