22.3 C
Rio Branco
13 agosto 2022 2:21 am
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

VÍDEO: estudantes passam mal após PMs usarem spray de pimenta para acabar com briga

Até mesmo alunos que não tiveram envolvimento com a confusão acabaram atingidos e tiveram que ser socorridos e levados a uma unidade de saúde da capital

POR G1

Policiais Militares usaram spray de pimenta para intervir em uma briga entre alunos do 8º ano da Escola Municipal Francisca Pereira de Araújo, no bairro Flores, na Zona Centro-Sul de Manaus. Estudantes tiveram que ser socorridos e levados para uma unidade de saúde da capital.

CLIQUE AQUI para ver o vídeo.

De acordo com a mãe de uma aluna do sexto ano, a filha já havia saído da escola com outros estudantes, quando policiais disparam o spray de pimenta contra o grupo.

“A minha filha vinha caminhado da escola, com outros alunos, e os policiais chegaram por trás e tacaram spray de pimenta para dispersar uma briga que estava acontecendo com os alunos do 8º ano, minha filha faz o sexto ano na escola e não tinha nada a ver com isso”, relatou a mãe.

Uma aluna que também estava na saída da escola, disse que apenas percebeu o que estava acontecendo, quando sua pele e olhos começaram a arder.

“Eu nem percebi na hora que jogaram o spray, só começou a arder. Acabei caindo no chão por estar ardendo muito, e aí ele [policial] jogou água na cara. A minha amiga que estava no meio, saiu com o olho sangrando”, contou a menina.

Em nota a Secretaria Municipal de Educação (Semed) afirmou que o fato aconteceu a uma quadra de distância da unidade de ensino. E que os alunos já foram identificados e os pais convocados para comparecer a escola.

Além disso, ainda afirmou que os pais serão orientados a conversar com os filhos para situações parecidas não voltem a acontecer.

De acordo com a nota, a gestora da escola, também foi até o Batalhão Geral da Polícia Militar e informou o ocorrido ao tenente de plantão.

g1 procurou a Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) para saber o posicionamento diante da atitude dos policiais e qual seria a recomendação de como agir em casos parecidos. No entanto, ainda aguarda resposta.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.