29 de maio de 2024

Dia da Maconha: saiba onde o consumo da erva é legalizado no mundo

No Brasil, discussão ainda é prematura, segundo especialistas

A maconha é o entorpecente ilícito mais usado do mundo, é o que afirma o Relatório Mundial sobre Drogas, das Nações Unidas (ONU), de 2021.

São estimados 219 milhões de usuários da substância, número que equivale a 4,3% da população adulta global. Só no Brasil são cerca de 11 milhões de usuários, de acordo com o 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira.

Atualmente, apenas oito países flexibilizaram leis que legalizam ou flexibilizam o uso da cannabis. A Alemanha foi a última a entrar nessa lista: desde 1º de abril deste ano, os alemães maiores de 18 anos podem, legalmente, carregar até 25 gramas de maconha em espaços públicos para uso próprio.

Já o Uruguai foi o primeiro país do mundo a legalizar totalmente o uso recreativo da maconha, em 2013. Na União Europeia (UE), Malta foi o Estado pioneiro, em 2021.

Veja o Mapa Mundi da legalização da maconha:

Fonte: THC AFFILIATES

Entre esse grupo restrito, o dia 20 de abril é uma espécie de data comemorativa, principalmente nos Estados Unidos, onde cerca de metade dos estados e Washington DC, capital do país, permitem a venda de maconha.

As lojas que vendem a planta legalmente costumam fazer promoções na data devido à celebração.

E no Brasil?

Aprovada pelo Senado Federal na terça-feira (16/4), em dois turnos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 45/2023, conhecida como PEC das Drogas, criminaliza o porte e a posse de qualquer quantidade de maconha.

Além disso, a PEC prevê que seja observada distinção entre traficantes e usuários, mas não detalha qual seria o critério de diferenciação.

Ao usuário, a proposta aponta aplicação de penas alternativas à prisão e tratamento contra a dependência química.

A advogada Hanna Gomes explica que, na prática, a constitucionalização não muda em nada a lei de drogas já existente no país. Para Hanna, o tema da legalização nunca foi tratado de forma aprofundada.

“Pouco se discute sobre a legalização, ou seja, sobre tornar legal. O que se propõe é descriminalização para uso recreativo, em pequenas quantidades, considerando a suposta baixa periculosidade dos efeitos e as livres condições de cultivo para evitar o envolvimento com o mundo do crime”.

Para Fernando Santiago, especialista no mercado de cannabis, há um retrocesso no Brasil com a aprovação da PEC das Drogas.

“Há muita divergência em relação a outros países, que já discutem o tema de maneira mais clara. Quando se deixa de ter um diálogo mais ‘adulto’ em relação ao tema, o que a gente impede é o desenvolvimento de possibilidades, que vão além do uso da substância como droga, como, por exemplo medicamentos, estudos, cosméticos e alimentos”, diz Fernando.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost