Estudo revela que AC tem uma das 10 piores economias do país

Fidel Castro

O funeral do líder cubano Fidel Castro vai demorar 9 dias, será marcado por todo o simbolismo e história que marcou a vida do revolucionário. O corpo do ex-presidente de Cuba será cremado “atendendo a seus pedidos”, informou o irmão, Raul Castro.

Debates pelas redes

Na falta de um fato político mais polêmico, a morte de Fidel acabou pautando ativistas, blogueiros e jornalistas pelas redes sociais. O próprio acontecimento já ressuscita o nacionalismo. Amado por muitos e odiado por outros, ele é sem dúvida uma lenda, libertou Cuba de um regime cruel, mas sua história nos leva a uma jornada dramática através de eventos mais explosivos do século vinte. Um homem do povo ou inimigo do Estado?

Interrogação

Essa é uma interrogação que ainda deve motivar muitos debates, embora o fantasma dos assassinatos serão sombras quando se falar do mito – nas mãos dele, o futuro de Cuba tomou rumo polêmico.

Inferno astral

O governador Tião Viana vive um inferno astral em sua página de Facebook. Toda postagem que faz é bombardeado pelos internautas de plantão. Não respeitaram nem a opinião do estadista com relação a morte de Fidel Castro. “Um bandido, assassino, opressor, já foi tarde !!!!”, disse um dos que comentou no espaço.

O título do Palmeiras

Fora a morte de Fidel, o título do Palmeiras marcou o início da semana. O campeonato de pontos corridos, invariavelmente, premia o melhor time da competição. O Palmeiras não fugiu à regra. Embora tenha ocorrido muita empolgação, nenhuma carreata foi vista pelas ruas da capital.

Números

Se não teve um futebol vistoso como referência, mas intensidade, regularidade e competitividade foram as referências. Segundo melhor ataque (60 gols), defesa menos vazada (31), menor número de derrotas (6), maior número de vitórias (24).

Supersalários

Por falar em números, em meio à discussão sobre a legalidade do pagamento de supersalários nos três Poderes que superam o teto constitucional de R$ 33,7 mil mensais, levantamento do GLOBO mostra que ao menos dez senadores acumulam proventos, recebendo vencimentos bem acima desse valor.

A lista

Estão nesse grupo: Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), Edison Lobão (PMDB-MA), Garibaldi Alves (PMDB-RN), João Alberto (PMDB-MA), Jorge Viana (PT-AC), José Agripino (DEM-RN), José Maranhão (PMDB-PB), Otto Alencar (PSD-BA), Roberto Requião (PMDB-PR), e Valdir Raupp (PMDB-RO).

A verdade

Os Estados agem no vácuo de uma regra federal. Até 1988, os ex-presidentes da República tinham direito ao recebimento de uma aposentadoria. Os governos estaduais então replicavam o benefício para os chefes do poder local. A Constituição de 1988 acabou com a aposentadoria para os presidentes, mas não proibiu explicitamente a concessão da pensão aos governadores.

Orleir acabou a farra

No Acre, em 1995 o ex-governador Orleir Cameli acabou com a aposentadoria de ex-governadores, mas seu sucessor, Jorge Viana, reenviou projeto de lei à Assembleia Legislativa que aprovou a farra com o dinheiro público. Isso também aconteceu na Bahia. O entendimento dos Estados é que eles têm “autonomia” pela Constituição para decidirem o que quiserem.

Adiantou-se

O presidente Michel Temer se adiantou ao movimento de rua previsto para o próximo dia 4. Em entrevista coletiva, ele disse que é preciso “ouvir a voz das ruas” em relação à anistia. “Estamos aqui para revelar que, no tocante à anistia, há uma unanimidade daqueles dos poderes Legislativo e Executivo. Não há a menor condição de se patrocinar, de se levar adiante essa proposta”, declarou.

Diálogo

O presidente abriu a entrevista coletiva afirmando que o diálogo mantido com o Congresso Nacional é bom para o país. Em outras palavras, deixou muito bem claro que, ao contrário da presidente cassada, Dilma Rousseff, tem maioria dos deputados e senadores. Uma espécie de cala-boca em que fala em tirá-lo da presidência ou em abrir processo de impeachment.

Credenciada

O Pastor Paulo Machado acabou com as pendências exigidas pelo Ministério Público, estabeleceu uma parceria com a FACEL e está devidamente credenciado no sistema EAD para continuar formando com excelência e qualidade. Uma história de dez anos.

Filosofando

Em conferências, palestras, minicursos, apresentações de trabalhos científicos e atividades culturais, a Universidade Federal do Acre (Ufac) recebe a partir desta segunda-feira (28) a 6ª Semana de Filosofia. O evento vai até o dia 2 de dezembro, sexta-feira. Este ano o evento, que será realizado no campus de Rio Branco, tem como tema “A Filosofia na Antiguidade Clássica e sua Atualidade”.

Estudo revela

Cinco estados brasileiros responderam juntos por quase dois terços do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2014. As economias de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul e do Paraná representaram 64,9% do PIB nacional naquele ano, segundo dados das Contas Regionais divulgados nesta segunda-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No topo do ranking

São Paulo continua sendo o principal motor da economia brasileira, respondendo por praticamente um terço do PIB do país (32,2%). O Rio de Janeiro, segunda maior força econômica do Brasil, representou 11,6%.

Gaúcho na frente

Minas Gerais permanece na terceira colocação (com 8,9% do PIB nacional). Em relação a 2013, a única troca de posição entre os 10 maiores Estados aconteceu entre o Rio Grande do Sul e o Paraná. Os gaúchos passaram os paranaenses e ocupam a quarta posição, representando 6,2%. Já o Paraná, na quinta posição, responde por 6% da economia nacional.

Pobre Acre

Ainda segundo o estudo, o Acre cresceu (4,4%), mas continua entre as dez piores economias do país. Em termos de crescimento, no entanto, os maiores avanços ficaram com as pequenas economias regionais. Tocantins teve a maior alta entre 2013 e 2014 (6,2%), seguido pelo Piauí (5,3%), por Alagoas (4,8%).

Debate

Nesta semana, o senador Pedro Chaves (PSC-MS), relator da Medida Provisória (MP) 746/2016, que estabelece a reforma do Ensino Médio, deverá apresentar seu parecer à comissão mista que analisa a medida no Congresso Nacional.

Alterações

Entre as principais alterações que constam na MP estão a ampliação da jornada escolar das atuais quatro horas obrigatórias por dia para sete horas, progressivamente. Quanto à estrutura curricular, a MP estabelece que parte do Ensino Médio seja voltada para os conteúdos que serão definidos na Base Nacional Comum Curricular.

comentários

Veja também