Procurador do Acre se posiciona contra corte de verbas na Ufac e em outras instituições

Um dos depoimentos mais contundentes de defesa da Universidade Federal do Acre (Ufac) e do ensino publico e gratuito foi feito esta semana pelo procurador de Justiça Sammy Barbosa, ex-chefe do Ministério Publico do Estado e doutorando em Direito pela Universidade de Coimbra, em Portugal. Em vídeo gravado e distribuído nas redes sociais, o procurador usa sua própria história para defender a universidade pública e afirmou que se não fosse isso, além da Ufac, talvez tivesse o mesmo caminho de amigos e contemporâneos seus que entraram para o mundo do crime e acabaram presos ou mortos.

“Menino pobre nascido e crido na periferia de Rio Branco, eu sempre estudei em escolas públicas e me graduei pela nossa Ufac”, disse. “Aliás, fui o primeiro da minha família a conseguir esse feito”, acrescentou.

video
play-sharp-fill

Quando já estava formado, aos 22 anos de idade, e já atuando como bacharel em Direito, ele encontrou muito de seus contemporâneos e amigos de infância e adolescência. “Muito deles estavam presos, alguns condenados a longas penas, por envolvimento em crimes”, contou o procurador. “Outros não tiveram tempo para isso porque foram mortos em confrontos com a polícia ou em outras circunstâncias, mas sempre por envolvimento com o crime”, acrescentou.

De acordo com o procurador, se os seus amigos tivessem a oportunidade eu ele teve, de estudar, mesmo que em escoas publicas e numa universidade gratuita e de qualidade, eles talvez tivessem trilhado outros caminhos.

Sammy Barbosa Lopes/Foto: Ascom MPAC

A Ufac, assim como as demais 67 universidades federais publicas do país está ameaçada de ser obrigada a suspender suas atividades a partir do segundo semestre do ano por falta de verbas. A informação é da própria reitora Guida Aquino, ao declarar que as informações do Ministério da Educação de que 30 por cento das verbas de custeio da instituição, assim como no restante do país, seriam cortados. Por conta disso, ao longo desta semana professores, estudantes e servidores administrativos e outros técnicos em ensino superior de todo o país promovem uma série de atividades na tentativa de fazer com eu o governo do presidente Jair Bolsonaro recue nesta proposta.

No Acre, além de manifestações, está prevista uma ocupação do Campus Universitário no próximo dia 14 e adesão à greve geral que vem sendo convocada em todo o país. Outras autoridades, a exemplo de Sammy Barbosa, serão instados a defender a instituição com seus depoimentos.

PUBLICIDADE