21 de abril de 2024

Cassado, vereador que ameaçou ‘quebrar’ colega na porrada entra na Justiça para voltar ao cargo

Gilvan foi cassado após votação da Câmara dos Vereadores de Bujari

O ex-vereador de Bujari, Gilvan Souza, que teve o mandado cassado em setembro de 2023 por quebra de decoro parlamentar, ao ameaçar a então vereadora, Eliane Abreu, entrou na Justiça com mandado de segurança com pedido de liminar para anular a decisão da Câmara de Vereadores do município e tentar voltar ao cargo.

ENTENDA: Durante sessão, vereador ameaça ‘quebrar’ vereadora na porrada; “ele fez gestos obscenos”

O vereador foi cassado após agredir e ameaçar a colega de parlamento, Eliane Abreu (PP)/Foto: Reprodução

O pedido foi avaliado pelo juiz Manoel Simões Pedroga, que decidiu negar. Na decisão, o magistrado ressaltou que o Judiciário não tem o poder de avaliar a matéria para substituir a decisão da Câmara dos Vereadores, o que violaria a separação de poderes, caso acontecesse.

“A cassação de mandato eletivo por quebra de decoro parlamentar é ato eminentemente político, mostrando-se irrazoável a realização pelo Poder Judiciário de juízo de valor quanto ao cabimento ou não dos aspetos políticos da decisão da Câmara Municipal”, diz trecho da decisão, que declarou, ainda, a extinção do processo sem resolução do mérito.

Vereadora Eliane Abreu (PP)/Foto: Reprodução

Relembre o caso

Gilvan teve seu mandato cassado por uma margem apertada de 4 votos a 3, com votos favoráveis à cassação dos vereadores Jairo Moraes (MDB), Elias Daia (PSDB), Maria Aparecida (PP) e James Mourão (PP).

O caso de Gilvan Souza havia passado por uma intensa investigação interna na Câmara de Vereadores, conduzida pela Comissão de Ética. O resultado desse esforço culminou em um relatório de 232 páginas, no qual a maioria dos membros da comissão concluiu que o vereador praticou ato incompatível com o decoro parlamentar, especificamente na modalidade de praticar ofensas físicas ou morais nas dependências da Câmara. Essa decisão da Comissão de Ética foi o ponto de partida para o pedido de cassação.

SAIBA MAIS: Por 4 a 3, vereador que ameaçou ‘quebrar’ colega na porrada tem mandato cassado no Bujari

O vereador estava sendo acusado de ameaçar Eliane Rosita, também vereadora pelo Progressistas. Na semana anterior à votação na Câmara, o delegado tornou público o resultado final do inquérito policial, no qual solicitou ao judiciário a implementação de medidas cautelares, incluindo a proibição de Gilvan de manter contato com a vereadora e seus familiares, a necessidade de manter uma distância mínima de 300 metros de Eliane, além da utilização de tornozeleira eletrônica.

O pedido de cassação do mandato de Gilvan Souza foi formalizado pela própria vereadora Eliane Abreu e pelos advogados Ângela Maria Ferreira e Pedro Paulo e Silva Freire.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost