29 de maio de 2024

Enfermeira morta após perseguição foi vítima de homicídio doloso, diz MPAC; PMs podem ir a Júri

Além de atirar para matar, militares forjaram falso confronto, diz investigação

A enfermeira Gessica Melo Monteiro, morta aos 32 anos de idade, em dezembro de 2023, durante uma perseguição policial na BR-317, no município de Capixaba, foi morta num homicídio doloso – quando há intenção de matar. A conclusão é de um procedimento de investigação criminal do Ministério Público do Acre (MPAC), divulgado nesta segunda-feira (1).

SAIBA MAIS: Laudo: enfermeira morta após perseguição policial não consumiu drogas e arma não tinha seu DNA

Géssica tinha 32 anos/Foto: Reprodução

A investigação também apontou uma série de irregularidades da guarnição da Polícia Militar para ocultar a ocorrência do crime. A enfermeira foi morta com dois tiros, que a alvejaram no pulmão e no coração.

O crime ocorreu, de acordo com a Polícia Militar, após a enfermeira, que dirigia um carro de passeio, não ter obedecido uma ordem policial de parada. Além disso, ela teria imprimido maior velocidade ao veículo, o que ensejou a perseguição policial através de uma viatura.

O acidente aconteceu na BR-317/Foto: ContilNet

De dentro da viatura, os policiais fizeram os disparos que atingiram a vítima de forma mortal. Após isso, segundo o MPAC, os policiais forjaram um falso confronto da mulher com a polícia, sendo depois constatado que ela estava desarmada, não portava produtos ilegais e que fugiu do cerco policial por medo.

Caso a Justiça aceite a tese do MPAC, os dois policiais acusados, que estão detidos e têm suas identidades preservadas, serão levados à Juri Popular. A data ainda não foi marcada.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost