Rio Branco, Acre,


Vídeo: BR-364, que custou R$ 2 bilhões, deve ser reconstruída

“Se as soluções até hoje aplicadas na BR-364 não foram capazes de resolver o problema, é porque algo está em discordância com a realidade local”, afirma Augusto

Situação atual da BR-364, sentido Sena Madureira/Cruzeiro do Sul/Foto: Reprodução
Situação atual da BR-364, sentido Sena Madureira/Cruzeiro do Sul. Foto: Reprodução

Os internautas não param de postar as imagens que mostram a situação precária em que a BR-364 se encontra no trecho Sena Madureira/Cruzeiro do Sul . O vídeo postado pelo senhor Roziney Paula de Lima nas redes sociais é mais um que apresenta partes da estrada transformada em um verdadeiro atoleiro, com caminhões e demais veículos passando com muita dificuldade.

Em entrevista à imprensa, o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit), Sérgio Augusto Mamanny, disse que a rodovia cuja construção já custou pouco mais de R$ 2 bilhões para os cofres públicos terá que ser reconstruída. Ele reafirmou que a BR-364 foi recebida do governo do Acre pelo órgão, mas não estava em boas condições.

PUBLICIDADE

Sérgio Augusto explicou que, mesmo tento feito o contrato de forma emergencial para recuperar os trechos da estrada, não houve tempo das empresas efetuarem os serviços de recuperação.

Em nota, o Dnit se dirige ao governador Tião Viana dizendo que o órgão não recebeu a BR-364 em boas condições de trafegabilidade. E destaca que, para iniciar os trabalhos de recuperação, o Dnit terá que fazer o reconhecimento dos solos do Estado do Acre.

A nota também destaca em seus pontos ‘C’ e ‘D’ que se devem desenvolver soluções mais propícias e adequadas à região, caso contrário os trabalhos estarão fadado a reprisar o que vem sendo vivenciado até o momento na rodovia.

O documento apresentado pelo órgão esclarece ainda que, em razão da incompatibilidade de soluções técnicas até hoje aplicadas na região, o DNIT está preparando um anteprojeto para reconstrução da estrada.

Para Sérgio Augusto, a elaboração do projeto de engenharia de reconstrução da rodovia certamente dará mais soluções e de forma diferenciada.

No final da nota, o superintendente diz que não significa eximir o governo do estado do Acre de responsabilidades.

“Deixo claro que os motivos podem ser outros que devem ser investigados, porque se as soluções até hoje aplicadas não foram capazes de resolver o problema, é porque algo está em discordância com a realidade local”, finaliza Augusto, afirmando que este é o seu entendimento.

Governador do Acre diz que BR-364 é de responsabilidade do Dnit e comerciantes de Cruzeiro do Sul são culpados pelo estado da estrada

Em recente entrevista, o governador Tião Viana disse que o governo do Estado repassou a manutenção da BR-364 para o Dnit, e que o problema da estrada está com trechos precários de trafegabilidade é por conta dos empresários de Cruzeiro do Sul, que usam caminhões com excesso de carga para transportar os produtos ao município.

As declarações do governador repercutiram nos debates políticos e, principalmente, nas redes sociais. O ex-deputado Márcio Bittar (PSDB) disse que ficou estarrecido com o que ele chama de “a última pérola’ do governador Tião Viana.

O ex-deputado lembra que se completarão 20 anos em que o PT está no poder no Acre, e que o partido teve todas as condições necessárias para concluir a pavimentação da BR 364, mas não o fez.

”É um absurdo o governador tentar tirar este problema de sua responsabilidade e jogar nas costas de um povo que vive praticamente isolado do resto do País. É muita ingratidão. É este o presente que o povo do Juruá ganha, depois de ter dado duas eleições ao PT?”, pergunta o tucano.

O senador Gladson Cameli (PP), que foi o primeiro a se pronunciar sobre a declaração do governador, disse que o povo do Juruá já foi vítima de muitas perseguições de políticos de esquerda, que acusavam de maneira covarde os empresários das mais diversas práticas criminosas.

“Afinal, quem não lembra quantas vezes fomos atacados, tendo a imagem do nosso trabalho denegrido, inclusive colocando sob suspeita o fruto do nosso suor como a farinha de Cruzeiro do Sul, uma das principais fontes de emprego e renda das famílias acreanas. Se há atos criminosos, os acusadores tem a obrigação de levá-los a Justiça, inclusive com provas, sob o risco de prevaricarem”, afirmou o senador.

Segundo Cameli, do ponto de vista técnico, só a incompetência, a falta de gestão ou a corrupção podem fazer com que uma rodovia inacabada, e que já custou cerca de R$ 2 bilhões não tenha como trafegar carretas bi-trem.

O senador Sérgio Petecão disse que o governador Tião Viana deveria pedir desculpas à população do Acre e em especial a de Cruzeiro do Sul, e os empresários que sempre sonharam com a estrada que tira a região do isolamento, e que há 20 anos está sendo construída e continua com gravíssimos problemas.

“O governador foi de uma irresponsabilidade sem tamanho em acusar os comerciantes da forma como ele acusou. Ele deveria era pedir desculpas aos empresários de Cruzeiro do Sul, são 20 anos que eles mexem nessa estrada e mais uma vez temos que se deparar com uma situação dessa”, disse Petecão.

O certo é que nas redes sociais o debate sobre a BR-364 se fortalece com as diversas fotos, além dos vídeos mostrando os mais de 200 km que a rodovia apresenta trechos quase que intrafegáveis.

A BR-364, segundo dados do Tribunal de Contas da União (TCU), já custou cerca de R$ 2 bilhões. O TCU também relatou diversas irregularidades como licitações fora dos métodos estabelecidos na legislação, superfaturamento na aquisição de insumos, irregularidades na construção e medidas da engenharia fora do padrão especifico correspondente ao projeto.

dnit
Nota do DNIT. Foto: Reprodução

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários


Recomendado para você

Últimas Notícias