Rio Branco, Acre,





Amazônia está sendo transformada em Cerrado, diz Carlos Nobre


Esses impactos já eram previstos em seus estudos pioneiros em 1991, quando lançou a hipótese da savanização

REDE BRASIL ATUAL

Há fortes suspeitas de que a Amazônia caminha a passos largos para deixar de ser a maior cobertura florestal do mundo e se transformar em bioma semelhante ao do Cerrado brasileiro ou à savana africana – o processo chamado de savanização. Os sinais, que preocupam cientistas, são a morte de espécies de árvores amazônicas e o aumento da duração da estação seca no Sul e no Sudeste da região.

Nos últimos 30 anos, a estação seca está em média seis dias mais longa por década. A mais duradoura passou de meio mês. “Se continuar assim, aquela região acabará virando uma savana bem degradada”, disse o climatologista Carlos Nobre em entrevista publicada esta semana pela revista National Geographic.

Esses impactos já eram previstos em seus estudos pioneiros em 1991, quando lançou a hipótese da savanização. Era uma época em que os desmatamentos na Amazônia brasileira estavam na faixa de 8%, 9% e hoje chegam a 20%.

/Foto: Reprodução

Mas para o ministro do Meio Ambiente do governo Jair Bolsonaro (PSL), Ricardo Salles, o aquecimento global é questão secundária. E o chanceler Ernesto Araújo acredita que os estudos e a política sobre mudanças climáticas são influenciados pelo “marxismo cultural”.

Cientista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Nobre foi um dos autores do relatório sobre o aquecimento global do Painel Intergovernamental em Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), em 2007. E desde maio de 2018 é pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP. O objetivo é estabelecer caminhos de desenvolvimento sustentável para o Brasil até 2050.

Na entrevista, o cientista, que pesquisa o clima do bioma há 40 anos, destaca que alguns lugares do Cerrado têm o mesmo nível de chuva da região de Santarém, na Amazônia – anualmente, um total de 1.800 milímetros. “Se chove o mesmo volume, por que em um lugar se tem floresta e no outro, cerrado? Na região de Santarém a chuva é bem distribuída o ano todo e a estação seca é muito curta. No Cerrado, a precipitação é muito concentrada na estação chuvosa, e depois essas regiões passam por três, quatro meses de chuva zero, enquanto em Santarém chove 80, 100 milímetros na estação seca. Essa é a grande diferença. Estudos de ecologia começam a mostrar um aumento da mortalidade de algumas espécies de árvores. Então, estamos realmente muito próximos desse ponto de ruptura”, alerta.

A savanização é causada pelo desmatamento, queimadas e o aquecimento global. Os dois primeiros fatores, conforme o cientista, podem ser combatidos pelo governo brasileiro com políticas para zerar o desmatamento e acabar definitivamente com as queimadas e incêndios florestais. O terceiro fator está fora do nosso controle: o aquecimento global. “Mesmo se reduzirmos a zero as emissões do Brasil, ainda dependemos que o resto do mundo faça o mesmo.”

Pelos cálculos de Carlos Nobre e outros cientistas, a savanização vai ocorrer se o aquecimento na Amazônia passar de 4ºC – já chegou a 1,5ºC e o desmatamento passar de 20%. “Seria um caso extremo, no qual as emissões continuariam como estão por 40, 50 anos. Recentemente, escrevemos um alerta na Science Advances de que não deveríamos deixar o desmatamento passar de 20%, 25% na Bacia Amazônica como um todo. Já chegou a 17% na internacional; na parte brasileira, a 20%”, diz.

A estimativa, segundo ele, é que, uma vez ultrapassado o limite do desmatamento, leva-se entre 20 e 50 anos para ocorrer essa substituição. “E a savana virá de forma irreversível, porque será o bioma em equilíbrio para o novo clima. Ao diminuir as chuvas locais, reduzirá também a vazão dos rios.”

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários




Outras Notícias

Veja Também