36.3 C
Rio Branco
15 setembro 2021 2:13 pm

Gladson concorda com redução do ICMS para baixar preço da gasolina, mas espera contrapartida de Bolsonaro

"Se eu baixo o valor, comprometo as finanças e a receita do governo. Como vou pagar os funcionários e as demais despesas?", questionou o progressista

POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET

Última atualização em 28/08/2021 17:20

Depois que o presidente Jair Bolsonaro atribuiu o alto preço da gasolina e de outros combustíveis a um imposto estadual, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), afirmando que o valor tem subido por uma “ganância de governadores”, o chefe do executivo acreano, Gladson Cameli, se posicionou sobre o assunto em entrevista ao ContilNet, neste sábado (28).

“Concordo que o valor cobrado pelo ICMS deve diminuir. Acho muita válida essa ideia. Em contrartida, o Estado precisa ser compensado por isso, pelo Governo Federal, com mais investimentos”, disse o governador.

“Se eu baixo o valor, comprometo as finanças e a receita do governo. Como vou pagar os funcionários e as demais despesas?”, questionou o progressista.

Atualmente, no Acre, a alíquota chega a 25%. A mudança na tributação é também a sugestão de alguns deputados da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), que propõem uma redução para pelo menos 17%.

Gladson avalia que um caminho precisa ser encontrado para que a população pague um preço justo pelos combustíveis.

“Não adianta a gente ficar falando e falando. Precisamos sentar e verificar um caminho que vamos trilhar para resolver a situação e não permitir que a população pague um preço tão alto por combustível”, argumentou o governador.

Na ocasião, Cameli criticou o ex-governador Jorge Viana (PT).

“Quem aumentou pela última vez o valor do ICMS não fui eu. Foi o Jorge Viana. Mas concordo que a gente reduza, desde que o Estado receba mais investimentos para não ter suas receitas comprometidas. Não posso é cobrir um santo e descobrir outro, porque aí coloco em jogo a Economia do Estado”, finalizou.

Alguns economistas e especialistas brasileiros que estudam os dados oficiais a respeito do tema defendem que o fator que mais pesou para o aumento do preço nos últimos meses não foi o ICMS, mas sim os reajustes feitos pela Petrobras. O imposto estadual compõe uma parte importante do valor que os motoristas pagam nos postos, mas os percentuais cobrados não sofreram alterações recentemente.

O preço da gasolina comum é composto por cinco itens, segundo Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP): Preço do produtor (refinarias da Petrobras e importadores); Preço do etanol – o combustível que chega aos postos tem 73% de gasolina A e 27% de etanol; Tributos federais – PIS, Cofins e Cide; Imposto estadual – ICMS; Distribuição, transporte e revenda.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.