21 de fevereiro de 2024

Advogado que seria ‘pombo-correio’ de facção foi preso durante viagem com a esposa, diz polícia

De acordo com os delegados, a investigação segue em andamento e divulgar essas informações sigilosas podem atrapalhar os próximos passos da Operação

A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO), composta pela Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar e Polícia Penal concederam entrevista coletiva nesta quinta-feira (30) para dar mais detalhes sobre a Operação que prendeu advogados ligados à facções criminosas no Acre.

SAIBA MAIS: PF investiga advogados que são ‘canais de informações’ para facções dentro e fora de presídio

A polícia concedeu coletiva à imprensa nesta quinta-feira/Foto: Matheus Mello/ContilNet

 Segundo as investigações, os advogados serviam como ‘pombo-correios’, levando e trazendo informações para líderes de facções que estão presos na Penitenciária Antônio Amaro Alves, em Rio Branco.

O delegado Felipe Fachinelli, da Polícia Federal, responsável pelas investigações, disse que ao todo, foram 5 presos, dentre eles, 4 advogados. Dos advogados, 3 foram detidos no Acre e outro foi preso no estado do Espírito Santo. Trata-se de um advogado que mora no Acre, mas que estava em viagem com a esposa.

A operação teve como alvo a investigação da ação de alguns advogados/Foto: Reprodução

VEJA TAMBÉM: OAB diz que quatro advogados foram alvos de operação da PF por suspeita de ligação com facções

A prisão foi feita em parceria com o GAECO e com o Ministério Público do Espírito Santo. A investigação durou 11 meses. Desde o mês de janeiro os agentes realizavam a investigação.

A PF informou que nem os nomes dos presos e nem detalhes sobre o teor dos recados repassados pelos advogados não serão divulgados. De acordo com os delegados, a investigação segue em andamento e divulgar essas informações sigilosas podem atrapalhar os próximos passos da Operação.

PUBLICIDADE