12 de abril de 2024

Cooperativas participam de reunião com diretor do MDA que veio ao Acre

Na ocasião, o diretor do MDA, apontou possíveis soluções que estão sendo avaliadas pelo governo federal para minimizar os danos sofridos pelos produtores

Dirigentes de cooperativas da agricultura familiar participaram nesta segunda-feira, 4, de reunião com o diretor do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), José Henrique, que representou o ministro Paulo Teixeira na comitiva do governo federal liderada pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes e pela ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que vieram ao Acre para vistoriar municípios atingidos pela enchente e avaliar prejuízos e danos nas cidades e áreas rurais.

Responsável pelo encontro que foi realizado no auditório da Secretaria de Estado de Agricultura (Seagri), o superintendente do MDA no Acre, Cesário Braga, enfatizou a importância da presença de representantes do governo Lula neste momento de tragédia causada pelas inundações.

“A ideia desse encontro foi juntar as entidades que trabalham com a agricultura familiar e apresentar para o Ministério a nossa proposta de ação imediata para quem foi atingido pela cheia. São cinco pontos centrais: a importância de criar um crédito emergencial para essas famílias; a renegociação do PRONAF; o fortalecimento do PAA; a criação de distribuição de alimento; e que os créditos tanto do PRONAF A, como do PRONAF B, possam ser operacionalizados a partir de um arranjo institucional com o governo do Estado e o Governo Federal dentro dessas áreas que foram atingidas”, explicou.

Impactos da enchente na agricultura familiar

Durante o encontro, o secretário da Seagri, José Luiz Tchê, apresentou ao diretor do MDA, José Henrique, o relatório preliminar com os impactos econômicos e sociais causados cheia do Rio Acre. O documento aponta que cerca de 77% das propriedades rurais atingidas pelas chuvas e ou enchentes, estavam preparadas para o plantio.

“Os danos atrasam o processo de plantio e geram prejuízos financeiros e operacionais, comprometendo a produtividade e a rentabilidade dessas propriedades”, disse o secretário.

Na ocasião, o diretor do MDA, apontou possíveis soluções que estão sendo avaliadas pelo governo federal para minimizar os danos sofridos pelos produtores.

“No âmbito do Ministério de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, a gente faz gestão sobre políticas tais como as políticas de crédito rural, de seguro da agricultura familiar, programa de garantia de preços, então nesse sentido, a gente já vai pensar soluções para ajudar esses agricultores familiares, por exemplo, a possibilidade que já existe deles prorrogarem as parcelas de custeio que vencem nesse ano e que eles não conseguirão pagar, porque a sua produtividade foi amplamente afetada. A gente também vai trabalhar outras propostas que o superintendente do MDA, Césario, já encaminhou enquanto necessidade dos agricultores familiares aqui do estado do Acre”, disse.

Cooperativas presentes

No Acre, mais de 40 cooperativas vinculadas ao Sistema OCB fazem parte do Ramo da Agricultura Familiar, o presidente da instituição no estado, Valdemiro Rocha, participou da reunião e salientou a importância das políticas públicas voltadas para a agricultura familiar no governo Lula, bem como a importância da comitiva no Acre para apoiar os afetados pela alagação.

“O retorno do MDA, a partir da eleição do presidente Lula, tem sido fundamental para as políticas vinculadas à agricultura familiar, ao extrativismo. Agradeço a presidente Lula por estar mandando uma caravana, uma missão, para buscarmos solucionar os problemas causados pelas cheias aqui no Estado”, afirmou.

De seu lado, a presidente da Cooperativa AcreVerde e diretora do Ramo da Agricultura Familiar do Sistema OCB, Fátima Maciel, informou que quase todas as cooperativas tiveram perdas e que o encontro com o representante do MDA traz esperança de ajuda para os produtores nesse momento.

“Podemos dizer que quase todas as cooperativas foram afetadas pelas chuvas ou pelas cheias dos rios e igarapés, pois temos cooperados em muitas regiões. As cooperativas precisam fazer a retirada de produtos como abóbora, macaxeira, para que não sofram tanto com as chuvas, corremos o risco de não comercializar, a expectativa é de que esses produtos sejam comprados através dos programas do governo para que nossas perdas não sejam tão grandes, e que esses produtos sejam doados para famílias atingidas pela alagação. Esse encontro foi muito importante, pois foram debatidas possíveis soluções para nos ajudar, e vemos o empenho do governo”, disse.

Além da Acreverde, estiveram presentes a Cooperativa dos Agricultores Familiares do Polo Geraldo Fleming de Rio Branco Acre (Coopermix); a Cooperativa de Produtores e Produtoras de Agricultura Familiar e Economia Solidária do Polo Geraldo Fleming (COOPAF); e a Cooperativa de Produção, Comercialização e Economia Solidária (Amigos Solidários). Também estiveram presentes na reunião a superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) no Acre, Alessandra Ferraz, e o presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Acre (Emater), Rynaldo Lúcio.

Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
Fotos: Luã Braga
PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost