25 de maio de 2024

Dono de Porsche paga R$ 500 mil de fiança e oferece R$ 1.412 por mês a família de motorista de app morto em acidente

Defesa de Fernando Sastre de Andrade Filho diz estar 'sensível ao momento' e afirma que ficou sabendo, pela mídia, que a família de Ornaldo da Silva Viana passa por dificuldades financeiras; amigo do motorista confirmou que ele consumiu álcool e acelerou carro

Fernando Sastre de Andrade Filho, motorista do Porsche acusado de matar Ornaldo da Silva Viana em um acidente de trânsito, ofereceu um salário mínimo (R$ 1.412) por mês à família da vítima, mas não especificou o período que duraria a ajuda financeira.

Em petição apresentada nesta quinta-feira (11), a defesa do acusado diz estar “sensível ao momento” e afirma que ficou sabendo, por meio da mídia, que a família de Ornaldo passa por dificuldades financeiras.

Os defensores também dizem que, em outra oportunidade, tentaram contato verbal com os advogados da família da vítima a fim de oferecer “as assistências necessárias”, mas receberam a resposta de que “não era o momento”.

Nesta sexta-feira (12), o motorista do Porsche apresentou à Justiça um comprovante de depósito em conta judicial no valor de R$ 500 mil a título de fiança.

O juiz da 1ª Vara do Júri da capital estabeleceu esta fiança “para garantir uma eventual reparação futura ao amigo ferido e à família de Ornaldo Viana”. Segundo o magistrado, o valor é proporcional e adequado, “tendo em vista sua condição socioeconômica e necessidade de garantir eventual reparação de danos à vítima sobrevivente e aos familiares da vítima fatal”.

g1 contatou a defesa da família de Ornaldo para saber a posição deles diante da oferta e aguarda retorno.

Motorista e amigos beberam 8 drinques de uísque

Fernando Sastre, a namorada dele, e mais um casal de amigos consumiram oito drinques de uísque com licor, além de uma caipirinha, antes do acidente que matou o motorista de aplicativo na Zona Leste de São Paulo, no final de março.

O grupo gastou mais de R$ 600 em comidas e bebidas em um restaurante, de acordo com o que consta na comanda de consumo à qual a TV Globo teve acesso. O drinque que mais pediram é feito com uísque, licor, xarope de limão e angostura.

Depois, foram para uma casa de pôquer e, na saída, ocorreu a batida. A polícia analisa a comanda e vídeos para saber se Fernando bebeu nos estabelecimentos.

Foto: Reprodução/TV Globo

O amigo de Fernando, Marcus Vinicius Machado Rocha, que estava no banco do passageiro e ficou gravemente ferido, prestou depoimento à polícia na quinta-feira (11), horas antes de receber alta.

g1 e a TV Globo apuraram que um delegado e um investigador que foram ao quarto em que Marcus estava confirmaram que o empresário Fernando Sastre de Andrade Filho, que dirigia o carro de luxo, tomou bebida alcoólica e acelerou antes de bater na traseira do Sandero de Ornaldo.

Em depoimento à polícia, o motorista do Porsche negou ter bebido ou fugido do local. Admitiu, no entanto, que dirigia “um pouco acima do limite” de velocidade para a via, que é de 50 km/h. A namorada de Fernando foi ouvida nesta semana pela polícia e confirmou a versão dele.

Justiça negou dois pedidos de prisão

A polícia já pediu duas vezes a prisão de Fernando à Justiça, que negou os pedidos. O empresário responde aos crimes em liberdade, mas foi obrigado pela Justiça a entregar o passaporte à Polícia Federal (PF) e pagar uma fiança de R$ 500 mil. Além disso, teve a carteira de motorista suspensa provisoriamente.

A defesa de Fernando alega que o acidente foi uma “fatalidade”. Procurada nesta quinta para comentar os depoimentos de Marcus e da namorada dele, a advogada Carine Acardo Garcia respondeu que “nos parece que a informação foi de que ingeriram drinque muitas horas antes do acidente”.

Corregedoria da Polícia Militar (PM) investiga se os policiais militares falharam no atendimento da ocorrência por não terem feito o teste do bafômetro em Fernando. Sem o exame, não foi possível saber se o motorista do Porsche havia bebido.

A mãe do empresário também prestou depoimento e afirmou que os policiais militares tinham liberado seu filho do local do acidente para ir a um hospital. Mas a mulher não o levou para lá alegando que estava sendo ameaçada pelas redes sociais por causa do acidente causado pelo filho.

“Um sentimento de injustiça gigantesco dentro de mim”, escreveu em seu Instagram, Luam Silva, filho do motorista por aplicativo Ornaldo, morto no acidente.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost