18 de junho de 2024

O brasileiro que faz shows dez vezes maiores que os de Anitta pelo mundo

Um brasileiro chegou ao topo do mercado da música em 2024

Ele está em turnê mundial e deve tocar para cerca de 20 mil fãs a cada noite. São plateias dez vezes maiores que as de estrelas como Anitta, Alok, Caetano Veloso, Gilberto Gil ou Sepultura no exterior.

Talvez você não conheça o nome dele e certamente não verá seu rosto nos shows.

O paulista Eloy Casagrande, 33, é o novo baterista do Slipknot, uma das bandas de metal mais bem-sucedidas do mundo, que só sobe ao palco mascarada.

A estreia no Slipknot aconteceu após um sigiloso “vestibular” nos EUA e foi “desesperadora”, diz ao UOL o agora ex-Sepultura, cuja saída deixou cicatrizes no grupo.

Mas o baterista de Santo André (SP), que já foi premiado como um dos melhores do rock, está acostumado a desafios tão surreais quanto as máscaras de terror do grupo.

  • Aos 12 anos, venceu o quadro Se Vira nos 30 do Domingão do Faustão.
  • Aos 16, convertido ao heavy metal, saiu em turnê mundial com Andre Matos.
  • Aos 20, encarou uma vaia gigante no Rock in Rio e virou o jogo.
  • Foi para o Sepultura e ganhou prêmios de melhor baterista de rock do mundo.
  • Após um teste secreto que durou dez dias, entrou para o Slipknot
Eloy Casagrande mascarado no Slipknot

Eloy Casagrande mascarado no SlipknotImagem: Divulgação

‘Enem’ do Slipknot: dez dias de prova

A missão secreta de Eloy Casagrande no Slipknot começou em dezembro de 2023, quando ele foi convidado para testes com a banda, que acabara de dispensar o baterista Jay Weinberg,

“Pediram um documento de confidencialidade. Só minha mãe e minha esposa sabiam”, diz Eloy.

“Foi uma angústia. Eu ficava acordada até 3 da manhã para ter notícia. Era muito difícil, mas era o sonho dele. E a gente não podia falar com ninguém”, lembra a mãe, Lídia.

Agora ele pode contar tudo.

“O empresário do Slipknot me mandou mensagem perguntando se eu tinha interesse. Tinha que gravar três músicas em vídeo, depois mais três.” Era só o começo.

Eloy teve de ir a Los Angeles, onde ensaiou com o grupo completo por cinco dias. Depois pediram mais cinco.

A primeira metade do teste foi com o repertório da banda, que preparava a ‘Here Comes The Pain’, turnê comemorativa dos 25 anos de seu álbum de estreia.

A parte restante apontava para o futuro: eles sondavam a capacidade criativa de Eloy. “Queriam ver como eu compunha partes de bateria. Foi um teste bem completo.”

O músico voltou ao Brasil sem resposta. Só em 6 de fevereiro um representante do Slipknot ligou e deu OK. “Todos [os outros oito membros da banda] tiveram que aprovar.”

Slipknot com Eloy Casagrande (segundo da esquerda para direita, no alto)

Slipknot com Eloy Casagrande (segundo da esquerda para direita, no alto)Imagem: Divulgação

Saída do Sepultura teve farpas

Eloy chegou a participar do anúncio da turnê de despedida do Sepultura, em dezembro de 2023, mas não ficou para os shows.

“O primeiro fator para eu querer tocar no Slipknot foi o fim do Sepultura. Eu tenho 33 anos. Respeitei a decisão do Andreas [Kisser, guitarrista e líder do grupo], mas eu precisava seguir com minha vida. O convite do Slipknot não tinha como esperar um ano. Era sim ou não.”

Em 27 de fevereiro, o Sepultura postou um comunicado dizendo que foi “pego de surpresa” pela saída de Eloy, “sem aviso prévioou qualquer debate sobre como fazer a transição”.

No dia seguinte, Kisser compartilhou o post de um fã dizendo que a saída de Eloy foi uma “atitude lamentável” e que o Sepultura iria “superar tudo isso”.

Eloy rebate: “Só pude falar com eles quando recebi ‘o sim’ do Slipknot. Assinei um acordo de confidencialidade. No dia em que recebi o sim, liguei para o Sepultura e marquei a reunião”.

“Não sei se o Sepultura entendeu meus motivos. Não conversei mais com eles. A gente tinha uma relação boa, mas eu nunca fiz parte de Sepultura. Sempre fui um músico autônomo, contratado”
Eloy Casagrande, baterista

Procurado pelo UOL, o Sepultura não quis comentar as declarações do baterista.

Mesmo após as farpas, o Instagram de Eloy é só alegria de fãs, em clima de Copa do Mundo do metal.

“Foi um abraço gigante, pessoas que nunca vi falando: ‘Parabéns, tá levando o Brasil’. É uma responsabilidade grande.”

Corey Taylor, vocalista do Slipknot

Corey Taylor, vocalista do SlipknotImagem: Frederic J. Brown/AFP Photo

O segredo do Slipknot

O Slipknot é um sobrevivente do gênero “nu metal”. A mistura de metal e hip hop teve ídolos como Korn e Limp Bizkit que, ao contrário, tiveram dificuldade em sustentar o sucesso comercial.

A banda aposta em um som mais pesado e uma atitude misteriosa. Tal qual o pequeno Eloy antes de ser jogado no palco do Faustão, os músicos falam pouco e preferem tocar.

A união parece ter dado liga.

“Nos primeiros dias tentei tocar de forma perfeita. Shawn [Crahan, o “Clown”, percussionista com máscara de palhaço] falou: ‘Não é o que a gente quer. A gente quer sua energia’, e me lembrou do nome da banda, Slipknot, um nó corrediço. A música deles é assim, você acha que vai para um lado e ela te surpreende.”

A estreia foi em um show intimista na Califórnia, para 350 pessoas, que o Slipknot armou para tirar o peso do ombro de Eloy – ou tentar.

“Foi desesperador. Acabei tocando com mais força do que devia, quebrei umas dez, 15 baquetas. O show seguinte [em um festival em Las Vegas para 70 mil pessoas] foi melhor.”

Eloy Casagrande usou uma máscara com um buraco de tiro na testa

Eloy Casagrande usou uma máscara com um buraco de tiro na testaImagem: Divulgação e Reprodução/Instagram

Pintura indígena e Albert Camus

Eloy criou sua máscara com Shawn. “Ele queria que fosse branca, para eu não ficar escondido no fundo do palco numa máscara escura para homenagear o Joey Jordison [ex-baterista morto em 2021].”

“Eu pensei em listras inspiradas em pinturas indígenas brasileiras. A parte de cima ficou vazia. Depois de várias ideias, pensei no buraco de tiro. É minimalista e violento”, diz Eloy.

“Um filósofo que li bastante foi o Albert Camus, que traz questões do absurdo, do niilismo, da negação. Estou com um tiro na testa, estou morto, nada me afeta. Nada faz tanto sentido e você pode falar o que quiser de mim. Esse é o conceito.”

Quem sabe faz ao vivo

A meta de Eloy no Slipknot é incomum no metal: “Fazer a galera dançar. É sempre o objetivo: fazer as pessoas mexerem, pularem. Esse é o sentimento do Brasil no meu DNA”.

Dos 7 aos 12 anos, ainda criança, ele só tocava música brasileira.

“Meu primeiro professor, Lenilson [da Silva, ex-baterista do carnavalesco Oswaldo Sargentelli], era do samba. Isso ficou na minha personalidade. É o que a gente chama de groove, balanço – fazer a pessoa balançar a cabeça, seja num show de rock ou samba.”

O que balançou primeiro foram as pernas do garoto quieto diante de um apresentador fanfarrão.

Eloy Casagrande participa do quadro "Se Vira nos 30" do Domingão do Faustão em 2003

Eloy Casagrande participa do quadro “Se Vira nos 30” do Domingão do Faustão em 2003Imagem: TV Globo/Reprodução

 

“Meu tio teve a ideia de construir um minibateria para chamar atenção e me dar espaço na mídia. Eu gostaria de só tocar, me expressar através da bateria, mas aprendi a me comunicar no susto. ‘No tapa’, me jogaram no Faustão.”

Como outros moleques introvertidos, aderiu ao heavy metal. Ia à escola de manhã e passava a tarde na bateria. “Era de domingo a domingo. Eu falava: ‘Eloy, faz outra coisa’. Quando ia ver, estava lá tocando. Dizia que a bateria era namorada dele”, lembra a mãe.

Ganhou o concurso nacional Batuka aos 13 anos e um prêmio de revelação mundial da revista “Modern Drummer”, aos 14. Aos 16, Eloy já tocava no Japão com um dos maiores vocalistas de metal do Brasil, Andre Matos (do Angra, Viper e Shaman, que morreu em 2019).

André viu Eloy no Faustão e virou fã. “Tive que emancipar meu filho para ele viajar”, lembra a mãe.

“Os músicos eram meus babás. Foi louco viajar o mundo e entender essas turnês internacionais”, diz Eloy.

Salvo por um solo de bateria

Talvez em outro país esse já fosse o final feliz. Mas a grana apertou e ele quase desistiu. “Bem-vindo à vida do músico no Brasil. Você vai ter 400 bandas e ainda viver mal”, ironiza.

Com a separação dos pais, a família entrou em crise financeira. Aos 17 anos, Eloy sentiu a pressão.

“O Andre Matos não me sustentava, não era um cachê muito bom. Tive dúvidas se dava para continuar a ser baterista. Aí o Gloria me chamou.”

O Gloria estava prestes a ser jogado numa fogueira: tocar seu som com influência de emo, o hardcore emotivo odiado pelos fãs de metal, no Rock in Rio

“A gente imaginava o pior, até as pessoas subindo no palco e tirando a gente na porrada, porque teve muita violência na internet”, lembra Eloy.

Uma das estratégias foi chamar o prodígio do metal de 20 anos para a bateria, explica Mi, vocalista do Gloria. Ele pediu a Eloy para fazer um solo. Hoje, lembra a reação e o diálogo:

“Não vou fazer solo nem f*dendo!”
“Vai, sim, e a galera vai amar, você é o maior baterista do mundo.”
“De quanto tempo?”
“Três minutos.”
“Pu*a que pariu!”

Ele chiou, mas aceitou. “A gente sabia que era jogo ganho, apostava no moleque, um monstro”, diz Mi.

“Foi um solo muito bem ensaiado”, lembra Eloy. “Com tanto nervosismo, não ia dar chance para o improviso, na hora podia dar tela branca. Passei umas 400 vezes. Foi um alívio.”

As vaias ao Gloria pararam e Eloy foi ovacionado.

“No festival tocaram Slipknot e Sepultura. Logo depois o Sepultura me chamou”, diz Eloy.

“O Eloy é totalmente dedicado ao que faz. A gente sempre soube que ele não iria parar no Gloria. Ele merece esse patamar”, diz Mi.
Estreia ‘horrível’

Seu primeiro show no Sepultura, conta, foi “caótico”. Ele estava na maior banda de heavy metal do Brasil, sentado no banco que já tinha sido de Iggor Cavalera, um de seus ídolos (antes de Jean Dolabella, que tocou entre 2006 e 2011).

“Eu me preparei por um mês, mas treino é treino e jogo é jogo. Queria mostrar trabalho e estava muito nervoso. Não via a hora de o show acabar, estava muito cansado.”

Hoje ele é solidário a Greyson Nekrutman, novo baterista do Sepultura, que gravou um vídeo com as mãos sangrando e a expressão exausta no primeiro show.

“Acontece”, comenta Eloy. “Já terminei shows até mais cansado, só não filmei (risos). Já abri meu dedo, precisei suturar. É inerente à vida do baterista de metal.”

Eloy não só fez shows bem melhores que o da estreia como impôs seu estilo técnico, intenso e complexo no Sepultura, especialmente a partir do álbum “Machine Messiah” (2017).

Foi eleito melhor baterista de metal do mundo em votações de leitores em 2021 na revista Modern Drummer e em 2022 no site especializado Drumeo.

PUBLICIDADE
logo-contil-1.png

Anuncie (Publicidade)

© 2023 ContilNet Notícias – Todos os direitos reservados. Desenvolvido e hospedado por TupaHost