17.3 C
Rio Branco
21 julho, 2021 9:59 am

Governo do Acre prepara reação contra ambientalistas

Secretário diz que Serra do Divisor não é o Jardim do Éden e que estrada para Pucallpa precisa ser construída

POR TIÃO MAIA, DO CONTILNET

Levado às cordas do ringue da luta pela construção ou não de uma estrada em torno de 200 quilômetros de extensão ligando o Brasil, através da cidade de Mâncio Lima, no Vale do Juruá, ao Peru, via Pucallpa, cidade do departamento (equivalente a Estado no Brasil) de Yucayalle, na região da Serra do Divisor, o governo do Acre deve começar a próxima semana reagindo. A reação será contra militantes do movimento ambientalista internacional, cujos rostos mais visíveis são os dos ex-senadores Jorge Viana e Marina Silva, além do líder indígena Francisco Pìãnko, do povo Ashaninka do Rio Amonea, terra indígena localizada no município de Marechal Taumathurgo, que vieram a público com manifestações contrárias à obra.

A estrada é defendida pelo senador Márcio Bittar (MDB) e conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, que autorizou as tratativas de seu governo com a embaixada do Peru, em Brasília. Na mesma semana em que lideranças indígenas internacionais se manifestaram contra a construção da obra, autoridades peruanas ligadas à área de meio ambiente também vieram a público com declarações de que a rodovia não interessa ao governo do Peru. Dos 200 quilômetros a serem construídos, caberia ao Brasil construir a metade, em território brasileiro, e o Peru prosseguir com o resto em seu território.

Estrada é defendida pelo senador Márcio Bittar / Foto: ContilNet

Diante da pressão para que o projeto da obra, cujo debate se arrasta ao longo de mais de 30 anos, seja mais uma vez esquecido nos escaninhos da administração pública, o senador Márcio Bittar (MDB-AC) esteve na região do Juruá, na semana passada, e pediu apoio dos prefeitos e de lideranças políticas e empresariais locais para que não o deixem só no enfrentamento aos ambientalistas contrários à ideia da obra. Os ambientalistas, índios e brancos, são contra a rodovia porque seu traçado passaria por dentro do parque ambiental apontado como berçário de bichos, insetos e plantas que formariam a maior biodiversidade do planeta. O prefeito de Cruzeiro do Sul, Zequinha Lima, defensor da estrada, chegou a ensaiar um movimento regional em favor da obra, mas ainda está isolado.

A reação do Governo do Estado com apoio ao enfrentamento aos ambientalistas partiu do secretário extraordinário de assuntos estratégicos do governo Gladson Cameli, Moisés Diniz, ex-deputado estadual e federal e ex-aliado do movimento, inclusive indígena.

Secretário Moisés Diniz / Foto: Cedida

Num manifesto em que compara a Estrada para Pucallpa a um Jardim do Éden, Diniz defende a obra dizendo que trata-se de “um caminho curto que pode unir dois povos irmãos e gerar riqueza, emprego, turismo e cooperação, além de garantir a preservação do Parque da Serra do Divisor e sua biodiversidade”. O ex-deputado lembrou que a ofensiva contra a estrada de fato tem lideranças como Marina Silva e líderes indígenas, como Francisco Piãko, e atores da esquerda peruana.

“Os argumentos que eles utilizam devem ser ouvidos, analisados, filtrados, respeitados no que deve ser respeitado, mas, não podem ser sacramentalizados, porque não estamos tratando de religião, mas, de desenvolvimento humano e preservação ambiental e etnográfica”, disse Diniz. “Acredito que Gladson Cameli pode liderar um diálogo franco, e com base na ciência, com as duas visões mais destacadas sobre a Estrada de Pucallpa, uma liderada por Marcio Bittar e outra por Marina Silva”, propôs.

De acordo com Moisés Diniz, “é plenamente possível equacionar as divergências, através de consultas às populações envolvidas (ribeirinhas, indígenas e urbanas), estudos de impacto ambiental e consultoria internacional (envolvendo exemplos de estradas-parques em funcionamento na Europa e em outros países desenvolvidos”.

Moisés Diniz disse que não entraria em detalhes sobre exigências de uma estrada-parque, como a instituição de pelotão florestal especial para proteção da área do parque cortada pela estrada ou aprovação de legislação rigorosa sobre cuidados básicos com a biodiversidade e com as populações tradicionais. “Não vou entrar em discurso ingênuo de que estradas, na Amazônia, viram corredores de droga, porque há milhares de estradas líquidas (de tráfico de droga), desprotegidas, enquanto a Marinha do Brasil tem milhares de homens cuidando do nosso turístico litoral”, afirmou. “O que deve valer é a capacidade de diálogo entre as duas opiniões que estão mais consolidadas, do contrário, pode se tornar um debate meramente ideológico, sem o mínimo de ciência, e ainda enterrar biografias, numa guerra sem vencedores”, acrescentou.

Por fim, na condição de ex-seminarista, Moisés Diniz propôs: “Que a história do Jardim de Éden nos sirva de lição, porque Adão e Eva não souberam usar com sabedoria os seus recursos naturais e, até hoje, seus filhos vivem nas periferias, desempregados, famintos, controlados por facções, enquanto as araras cantam nos galhos da Árvore da Vida”.

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.