19.3 C
Rio Branco
29 julho 2021 8:56 pm
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Campo Grande cria ‘Lockdown fantasia’ com tudo fechado mais funcionando e ‘povo’ na rua

Sábado e domingo de lotações com até filas na porta ante Estado em colapso na Saúde

POR LÚCIO BORGES ORTEGA - CORRESPONDENTE MS

CAMPO GRANDE (MS) – A população de Campo Grande, ou parte dela, com as autoridades, municipal e estadual, estão vivendo um dilema do “Ser ou Não ser, eis a questão” ante o pior momento em crise de agravamento da Pandemia da Covid 19 em Mato grosso do Sul. O paradoxo é que o governo do Estado tentando barrar o colapso total, decretou um fechamento de 43 municípios, incluindo a Capital – que deveria ter funcionado desde sexta-feira (11). Mas, acabou sendo adiado para este domingo (13), devido a pressão comercial do Dia dos Namorados, e,  ao invés de apoio, criou muita reclamação, cobranças, adiamento e mudanças em regras antes de iniciar. Veja abaixo, o que pode ou não pode.

Com isto, Município e Estado, criaram um ‘Lockdown fantasia’ na Capital, com tudo fechado mais funcionando. Sendo que funciona 51 amplas atividades dentro de liberação de quase tudo que se tornou essencial, mesmo não sendo imprescindível na vida do dia-a-dia, e, outros que funcionam as ‘escondidas’ ou abertamente, mesmo sendo “proibido”. E veja abaixo, que para piorar ou melhorar aos reclamantes, o Governo do Estado recuou, de novo, e retirou parte da ‘Lei seca’ e autorizou a venda de bebidas alcoólicas em qualquer, sem parar no local.

A data comemorativa no sábado (12), foi liberada ainda, mas como vem ocorrendo a algum tempo na cidade  – sendo um dos vetores de alta assustadora em casos e mortes pelo coronavirus, e UTIs lotadas, acima dos 100% de capacidade – a vida fora, caminhou até além do normal, já que era data ‘festiva’ e se gerou muita aglomeração, como se nada tivesse ocorrendo. Hoje (13), que a partir das 00:01, já deveria estar com as regras mais rígidas sendo aplicadas, após adiamento de 48 horas, o dia continuou praticamente normal ante o MS estar com mais de 2 mil casos novos a cada dia, já a mais de duas semanas e totalizando 7,3 mil mortos, desde o início da Pandemia. Foram 50 a 73 mortes nos últimos dez dias.

A realidade registrada todos os dias pelos Jornalistas-imprensa, foi comentada ‘particularmente’ por grupo dos profissionais, em rede social, onde avaliaram e postaram imagens do sábado e domingo, como se nada houvesse acontecido ou vem acontecendo desde março de 2020. “Conte aos leitores do Acre que somos o epicentro atual da covid e  o povo não sossega o corpo. Olha a foto da fila para entrar no shopping. Ninguém consegue entender o Fique em casa”, relatou a jornalista Maristela Bruneto.

Imagem dos altos da principal avenida de CG, Afonso Pena, fila de carros em frente ao Shopping para entrar (Foto: Maristela Bruneto)

Sem limites

A  jornalista Tereza Hilcar foi além e considera que tudo e todos estão sem controle. “Já estão, já passou dos limites. E o povo seguindo o Inominável sem máscara. É  inadmissível o comportamento beligerante, para dizer o mínimo, do prefeito que só atende os comerciantes e se esquece das pessoas. Espero que lembrem-se disto na hora das eleições. Campo Grande precisa parar! Mas quem decide já está devidamente vacinado e protegido, né? Povo que se vire! Eu, mesmo com as duas doses da vacina, vou para o trabalho com duas máscaras”, diz.

Bruneto faz uma análise entre os números e decisões da população e governos de MS e outros Estados. “Vejam os números do Espírito Santo, que tem quase o dobro da população de MS (3,5 milhões x 2 milhões) quando tiveram pessoas morrendo em morros, lá o governo impôs medidas bem duras. Até ônibus pararam de circular na onda de Abril e Maio. Lá os números estão baixos. Aqui estamos estourando e não vai melhorar, porque aqui, por exemplo, se ‘para’, mas tudo é essencial: restaurante, academia, igreja, etc. E tudo que vai funcionar fechado haverá entrega na porta. Então os empregados tudo vão sair de casa, pegar ônibus…uma quarentena Fake”, avalia a jornalista.

Hoje, o Espírito Santo registrou 12 mortes e 800 novos casos de covid-19 em 24 horas, segundo informações do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa-ES)), atualizadas na tarde deste sábado (12). Com isso, o total de óbitos provocados pela doença no estado chegou a 11.132. Se compararmos, lá ouve mais mortes, até hoje. Mas, o estado capixaba, tem  uma população 1,5 milhão maior que MS.

O jornalista Eder Yanaguita é enfático em dizer que, “Aqui não tem Lockdown. Os governos e a imprensa estão usando erroneamente esse nome. No fim de semana passado vi fotos no Instagram de gente fazendo festinha junina em casa. Agora esse Dia dos Namorados e 51 atividades liberadas e tantas outras ‘meio liberada’, Ou seja, as próximas semanas continuaram sendo pesadas”, avaliou.

1º dia do decreto, churrascarias tradicionais lotam e têm até fila na porta (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

Fora do Centro também

Já mudaram a alcunha da Rua Bom Pastor para Corredor Covidômetro ou ainda é Gastronômico? Pergunta o jornalista Marcelo Pereira, falando de uma rua ponto turístico- gastronômico da cidade, mas que também é um bairro residencial. “Vi vários lugares abarrotados de gente com fila grande para entrar e a maioria das pessoas sem máscara”, relatou Pereira na noite de ontem.

“Fui levar almoço para a minha mãe. Fiquei abismada com a quantidade de gente, carros nas ruas. Pelo comportamento dessa gente, parece que não tem nada acontecendo”, apontou Denise Dal Farra sobre o começo da tarde deste domingo.

Grande porcaria esse lockdown. Isso foi na Cantina Romana, ontem., disse Ana Claudia servidora pública e jornalista

Para piorar

O Governo do Estado recuou, de novo, e autorizou a venda de bebidas alcoólicas em supermercados, hipermercados e conveniências durante o “lockdown”. Assim, só vai fechar o comércio, bares e restaurantes de hoje até o dia 24 deste mês. Mas, os mesmo também, como já dito anterior, irão poder fazer Deliveres, com funcionários tendo que ir trabalhar então.

Anunciado para frear a pandemia da covid-19, que bateu mais um triste recorde com 73 mortes em 24 horas neste sábado, o decreto libera a maior parte das atividades. “Os mais prejudicados, também em partes, serão os setores de serviço, como salões de beleza, bares, restaurantes, lanchonetes, lojas de roupas e sapatos, shoppings e lojas de departamentos”, disse o jornalista Edivaldo Bitencurt.

As escolas e igrejas poderão funcionar normalmente, mas deverão acatar as recomendações para evitar a proliferação do vírus, como uso de máscaras, álcool gel, distanciamento social e o toque de recolher das 20h às 5h. Também vai ser permitido a abertura de academias, parques e lojas de materiais de construção, que apesar de não serem imprescindíveis para a vida, foram considerados serviços essenciais e podem continuar abertos.

A conclusão é que o maior risco do Lockdown decretado é agravar o prejuízo dos comerciantes, empresários e vendedores autônomos e não frear o colapso no sistema de saúde de Mato Grosso do Sul.

Desde a semana passada, o Estado não consegue dar conta da demanda, pacientes passaram a ser enviados a outros estados e médicos passaram a priorizar jovens na hora de escolher leito de UTI.

Governador Reinaldo Azambuja

Confira a orientação do Governo para o período de 13 a 24 de junho em 43 cidades, inclusive na Capital

1.Supermercados podem abrir? Em qual horário e sob quais circunstâncias?

São considerados serviços essenciais e podem, inclusive, funcionar fora do horário do toque de recolher.

2. Bebida alcoólica. Pode vender em algum lugar? Supermercados entram nessa regra?

Apesar do Decreto 15.644, 31 de março de 2021, com a classificação Cinza não pode ter comércio de bebida alcoólica, o Decreto 15.693 de 10 de junho trouxe a deliberação do Comitê Gestor do Prosseguir que, no ponto 1.30, permitiu a venda pelo serviço de Delivery para qualquer atividade consideradas essenciais de baixo risco, onde se enquadra a questão da bebida alcoólica.

Uma nova análise do Comitê Gestor do Prosseguir, deliberou pela venda de bebidas alcoólicas em temperatura ambiente de forma presencial, SEM CONSUMO NO LOCAL, no âmbito de supermercados, hipermercados e mercados.

3. Shopping pode abrir?

Para municípios na bandeira CINZA apenas pelo sistema Delivery. Demais seguem as regras do Prosseguir que permitem dentro das limitações de cada bandeira.

4. Detran, Funtrab e Rede Fácil?

O Detran, Redes Fácil e sedes da Funtrab estarão sem atendimento presencial.

5. Açougue pode abrir?

Sim, são considerados serviçoes Essenciais. Podem trabalhar dentro do horário do toque de recolher, das 5h às 20h.

6. Pode consumir dentro das Padarias?

Sim, é permitido o consumo de alimentos nas padarias.

7. Lojas de material de construção funcionam?

Sim, estão classificadas como serviço essencial.

8.Comércio varejista pode abrir? Pode funcionar de alguma outra forma?

Para os municípios de bandeira CINZA, apenas os essenciais podem atender presencialmente, ou seja, com permissão de receber clientes. Demais atividades consideradas não essenciais de baixo risco podem funcionar na modalidade Delivery.

9. Bancos e lotéricas podem abrir com atendimento presencial ?

Bancos e lotéricas são serviços essenciais que funcionam dentro das regras estabelecidas com as medidas de biossegurança.

10. Academias e Igrejas podem funcionar?

Academias e Igrejas são consideradas serviços essenciais e podem funcionar com regras da biossegurança e dentro do horário do Toque de Recolher.

11. Parques podem abrir? Sim, estão liberados.

12. Passeios Turísticos podem ser realizados?

Conforme deliberação do Comitê de Gestão do Prosseguir, em reunião extraordinária deste sábado (12), os passeios adquiridos até a data da vigência do decreto podem ser realizados, sem qualquer prejuízo.

13. Lanchonetes e restaurantes podem funcionar sob qual sistema?

Ficou estabelecido que o serviço de drive thru previsto no item 1.31, também atende a modalidade do serviço de pegue e leve (take away) de alimentos, inclusive no âmbito de restaurantes e lanchonetes, e de medicamentos.

Perguntas e respostas  – Fonte: Governo de MS

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.