33.3 C
Rio Branco
14 outubro 2021 7:38 pm

Como saber se o seu CPF já foi usado por outras pessoas

Lista traz dicas para descobrir dívidas desconhecidas, solicitações de benefícios e até movimentações na dark web com o documento; saiba mais

POR TECHTUDO

Última atualização em 14/10/2021 19:38

Com o aumento de vazamentos de dados, muitos brasileiros se perguntam se o seu CPF já foi usado por outras pessoas sem o devido consentimento. A resposta para essa dúvida inquietante pode ser encontrada com a ajuda de ferramentas online e gratuitas.

Por meio de consultas aos serviços de proteção ao crédito ou a plataformas oficiais do Governo Federal, por exemplo, é possível conferir se o nome do cidadão está envolvido em débitos desconhecidos, movimentações na dark web, solicitações de benefícios sociais ou práticas ilegais. Confira, a seguir, cinco formas de saber se o seu CPF já foi usado por outras pessoas.

1. Consulte o Registrato, do Banco Central

 

O Registrato é um sistema administrado pelo Banco Central que reúne online todas as informações sobre as operações de crédito e relações com bancos e instituições financeiras vinculadas ao nome do cidadão. É possível acessar o serviço periodicamente para monitorar as contas bancárias associadas ao CPF e conferir se existem cadastros, abertura de contas (ativas ou inativas), movimentações desconhecidas ou dívidas, o que pode indicar fraude.

Para consultar o Registrato, é necessário validar o cadastro no próprio aplicativo do banco que o usuário utiliza. Nesse procedimento, será gerado um código PIN. Em seguida, basta acessar o Registrato no site do Banco Central, informando o código, para visualizar um relatório com todas as instituições financeiras nas quais você já teve ou ainda tem conta ativa.

2. Consulte o CPF na Serasa Experian

 

O site Serasa Consumidor permite que o usuário consulte, de forma gratuita, se seu CPF está regular ou negativado, isto é, se a pessoa está com “nome sujo” por causa de dívidas ativas. Para isso, basta acessar a plataforma (serasaconsumidor.com.br), fazer um breve cadastro com dados pessoais básicos e visualizar se existe alguma dívida em aberto. Em caso positivo, são exibidos no site o valor do débito, a empresa credora e as datas de vencimento originais.

Caso desconheça algum débito, é provável que seus dados tenham sido usados por outras pessoas para a contração da dívida. Neste caso, é necessário entrar em contato com a instituição envolvida para prosseguir com os meios de resolução da fraude.

3. Consulte o banco de dados do SCPC

 

Em processo semelhante ao do Serasa Consumidor, você também pode consultar se seu nome está vinculado a dívidas no SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o que indicaria uso indevido do CPF. Para realizar a pesquisa, basta acessar o site do Boa Vista Consumidor Positivo (consumidorpositivo.com.br/consulta-cpf-gratis), preencher um rápido cadastro com dados de identificação básicos e visualizar se existem pendências no seu nome.

Caso haja um registro desconhecido no CPF, também será necessário procurar a empresa que cadastrou o débito para resolver o problema.

4. Consulte o DataPrev

 

Muitos brasileiros tiveram o CPF usado de forma indevida para pedir o Auxílio Emergencial durante a pandemia. Os cidadãos que suspeitam de golpes usando seus documentos podem consultar a página oficial do benefício para saber se existem solicitações ilegais com os dados.

Para isso, basta acessar o site da DataPrev (consultaauxilio.dataprev.gov.br), informar seu CPF, nome completo, data de nascimento e nome da mãe. Então, o site exibirá se existe requerimento do auxílio emergencial vinculado àquela pessoa.

5. Cheque por vazamentos na dark web com o Serasa Premium

 

O Serasa Antifraude possui uma ferramenta online que realiza o monitoramento dos dados do usuário para saber se estes foram detectados em algum comércio ilegal na dark web, parte da Internet popular para o tráfico de informações sigilosas, entre outros crimes. Além disso, o serviço também avisa o usuário quando o CPF é consultado na hora de uma compra ou quando uma empresa é aberta no nome do cidadão, por exemplo.

É possível realizar uma consulta grátis para saber se o seu e-mail está envolvido em movimentações na dark web. Para acessar outras ferramentas de monitoramento, no entanto, é necessário assinar o serviço Serasa Premium, que custa R$ 25,90 por mês.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
É permitida sua reprodução total ou parcial desde que seja citada a fonte. Opiniões emitidas em artigos e comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.